Time Out Rio de Janeiro

Yoga é tudo de bom

 Cuidar da mente e do corpo descobrindo a essência do yoga

Todo o mundo já escutou a palavra yoga, seja em livros, filmes ou através das várias academias e estúdios que descobriram na prática uma nova forma de cativar quem procura o corpo perfeito. A verdade é que mesmo quem nunca praticou, todos conhecemos alguém da família ou do grupo de amigos que se encantou pelo yoga. 

Da Índia para o Ocidente, o yoga virou fenômeno e vem angariando fãs e praticantes há décadas. A cultura hippie dos anos 60 e 70 adotou o yoga como uma busca por outros níveis de consciência, era coisa de hippie ligado na revolução de ideias e pensamentos da época. De lá para cá o número de praticantes vem aumentando e se há umas boas décadas atrás muitos torciam o nariz e achavam que yoga era coisa de gente estranha, hoje em dia conquista cada vez mais pessoas e até mesmo celebridades no mundo inteiro já se renderam aos benefícios da prática. Quem não lembra da Madonna na sua fase yoga?

No Rio as opções são mais que muitas e com sol e calor praticamente o ano inteiro todo o mundo quer exibir um corpinho bem torneado. A verdade é que o yoga ajuda a ficar em forma mas os benefícios vão bem para além das curvas, corpos sarados e musculosos. Com tanta opção no Rio a Time Out saiu em busca dos melhores lugares para praticar yoga, lei-se físico e mental.


Quem estuda e se interessa pelas raízes do yoga sabe que o bem-estar físico nada mais é do que uma consequência do bem-estar mental que o yoga proporciona. Para Thiago Leão, à frente da Academia Hermógenes essa é a sua visão, um caminho que seguiu inspirado por José Hermógenes de Andrade Filho, mais conhecido como Professor Hermógenes, 91 anos de idade, seu avô e fundador do espaço, que completa este ano cinquenta anos.

Em conversa com a Time Out Thiago conta, com orgulho o percurso do Professor Hermógenes, um dos nomes do yoga no Brasil, que descobriu o yoga aos 35 anos. Sua frase ‘Deus me livre de ser normal’ ilustra bem seu estilo de vida. Quem escuta não imagina que a vida do professor fosse, na época, uma vida de ‘normose’ como costuma dizer. Problemas de saúde e tuberculose ditaram uma virada, começou a se interessar pelo yoga através de livros e, proibido pelo médico, praticava yoga escondido no banheiro.

Cada vez mais se identificando com a filosofia de vida do yoga, deixou o trabalho no exército, tornou-se vegetariano e começou a ensinar yoga na garagem de casa. ‘Quando eu me tornei vegetariano eu passei a poupar dois animais’ palavras do professor relatadas pelo pupilo Thiago que entende o quanto o yoga mudou sua forma de ver e viver a vida e explica o quanto o ajuda a se questionar ‘Não sou perfeito e tento me analisar, me questionar por que eu agi ou falei de tal maneira, o yoga trouxe isso para a minha vida’.

Trinta livros publicados, palestras no Brasil e no mundo inteiro marcam a vida do avô que ‘sempre foi muito fiel à questão ética e moral do yoga’, explica Thiago que nos conta também que para o professor “quem pratica yoga só pelo corpo e pela parte física é o mesmo que comer a casca e jogar a banana fora”. Thiago partilha da opinião e, também ele professor de yoga, administra hoje em dia a academia. Seu trabalho inclui ainda o projeto Instituto Hermógenes, com o objetivo de continuar os ensinamentos do seu mestre, formando outros professores de yoga. O professor, porém, recusa o rótulo e prefere encarar seu trabalho como uma missão que transportou para seu percurso de aprendizagem e palestras em todo o mundo, viagens marcadas por encontros com Dalai Lama, Madre Teresa de Calcutá, Shivananda, entre muitos outros.

Hoje com 91 anos o professor deu uma abrandada no ritmo de uma carreira cheia ensinando, deu aulas até aos 85 anos e viajou com suas palestras até Agosto de 2011, mas a idade já pede um pouco mais de descanso e Thiago Leão continua, com orgulho, o trabalho do avô.

Mas será o processo de gostar e cutir yoga imediato? Bem pelo contrário. O negócio não é fazer yoga a primeira vez e virar fã na mesma hora. Kiu Mars, um professor de yoga inglês já bem enturmado em solo carioca, sabe do que falamos. Escutando o entusiasmo com que fala de yoga é difícil acreditar que sua primeira impressão sobre a prática não foi lá essas coisas. 'Não gostei nem um pouco da minha primeira aula quando ainda morava em Londres'. Aqui aproveita para explicar que uma boa aula de yoga depende muito do professor e que cada sessão é incrivelmente diferente.

Foi durante uma viagem pelo Sudeste Asiático que resolveu tentar novamente e dessa vez Kiu sentiu uma ligação diferente com o yoga. Para ele o entendimento da prática é bem mais profundo do que uma simples busca pela silhueta perfeita. Kiu tem a mesma visão da Academia Hermógenes e procura transportar os ensinamentos do yoga para sua vida. ‘Como todas as pessoas eu quero ser feliz mas eu sempre soube que não encontraria felicidade no sistema global e comum de trabalhar para ganhar muito dinheiro. O yoga me ajuda a questionar minhas ações, a me analisar, no fundo me tornei mais sensível ao que me rodeia. Em Londres conheci pessoas muito ricas mas infelizes e na Indonésia contatei com pessoas com muito pouco e incrivelmente felizes. Isso para mim é inspirador’. É com essa inspiração que Kiu dá aulas de yoga na cidade que o conquistou há alguns anos atrás.

Visitou o Brasil pela primeira vez há doze anos e voltou várias vezes de férias até que se mudou, encantado pela cultura e clima carioca. Na bagagem trouxe o curso de 500 horas que fez na Índia ‘com um professor maravilhoso’, uma formação valiosa que passou para suas aulas. Kiu Mars prepara ainda seu primeiro workshop de yoga em setembro, com data ainda a anunciar. O evento vai ter uma trilha sonora especial criada pelo inglês que também é DJ e muito sensível à importância da música numa prática tão sublime como o yoga.

O estúdio Blyss, em Ipanema, é outro dos lugares onde Kiu dá yoga. O lugar tem vários outros professores e a maioria estrangeiros, a norte-americana Kimberley Johnson faz parte do grupo. O nome pode não querer dizer nada para alguns, mas no meio do yoga a professora é bem reconhecida. Natural da Califórnia, Kimberley já ensinou yoga em Nova Iorque, San Diego e no Colorado, deu cursos na Tailândia e Malásia, e desde que se mudou para o Brasil deu aulas em São Paulo e Belo Horizonte. Ficamos até sem fôlego só de escutar seu percurso, mas fôlego é coisa que não falta a Kimberley que sabe que seu ponto forte está na experiência que tem e no conhecimento das necessidades de seus alunos.

As aulas que dá no seu estúdio KAJ Yoga em Santa Teresa, com vista para a Baía de Guanabara e o Pão de Açucar, são para grupos pequenos e bem ao estilo intimista, os alunos chegam basicamente do boca em boca e de recomendações de amigos. ‘É um lugar bem aconchegante para o máximo de doze pessoas, então as aulas acabam sendo dentro do estilo privado’. Tal como Kiu, Kimberley também está bem atenta ao nível de cada aluno e procura orientar cada um de acordo com suas necessidades.  

Capa da edição ‘Poder do feminino’ da revista Yoga Journal Brasil Kimberley é, sem dúvida, um nome conhecido no universo do yoga no Brasil e há cinco anos faz retiros de yoga em Paraty (durante quatro dias) e na Ilha Grande, em Angra dos Reis, durante uma semana. O próximo acontece de 21 a 27 de outubro (mais informação aqui). Pensando nas pessoas que não podem sair da cidade tão facilmente, Kimberley criou os Retiros Urbanos no Rio (em português e inglês), uma ideia bem interessante que inclui duas aulas de yoga, caminhada e um almoço bem natureba durante um dia (sábados) por R$ 95, guardando o domingo para preparar o início de mais uma semana.

Bem ligada em tudo o que diz respeito a yoga a professora é especializada também em yoga para mulheres, com foco na preparação para o parto e período pós-parto, lançou um CD de mantras de yoga Saudades de Índia. Não admira que seja um daqueles 'segredos' bem guardados da cidade. 


 

Escrito por Sílvia Garcia
Compartilhe

Comentários dos leitores

blog comments powered by Disqus

Outras notícias recomendadas

Hair & Beauty 2016

Boulevard Olímpico

Baixo Suíça reabre com tecnologia para deficientes