Time Out Rio de Janeiro

Top 5: Laricas da praia

Os criativos vendedores ambulantes de Ipanema são praticamente um patrimônio cultural e gastronômico

Ficar horas na praia no melhor estilo nada-melhor-do-que-não-fazer-nada, dá uma fome! É um ótimo lugar para prevalecer a lei do menor esforço. Caso bata aquela larica incontrolável, você não precisa mover um grão de areia para satisfazer seus desejos da gula.

Para isso, existem os vendedores ambulantes. São figuras carimbadas, praticamente celebridades cariocas que desfilam nas areias escaldantes pra lá e pra cá vendendo delícias para todos os gostos. E celebridades não é força de expressão: aparecem em revistas, jornais, televisão e ainda participam de eventos descolados, que querem transmitir o estilo carioca.


Eles gritam freneticamente seus bordões de um lado pro outro, pura estratégia de marketing para conquistar a clientela. Se tem um lugar onde tem mais ambulantes por m2 no Rio de Janeiro, este lugar é o posto 9, em Ipanema, point da galera que simpatizante do Bob Marley. Confira as mais-mais laricas do verão:


Hareburguer


Se sua larica já chegou ao nível cinco, ataque um desse sozinho. E não precisa procurar,é só esperar para ouvir de longe “Haaaaaareeeeebuuuuurgueeer” seguido de um som de flauta. O sanduíche feito de carne de soja fez tanto sucesso, que Raphael, seu criador, abriu uma loja na Galeria River. Com seu linguajar psicodélico, ele é sem duvidas, o vendedor mais doido da praia.

Sucolé do Claudinho
Polpas de frutas bem geladinhas embaladas em saquinhos, isso é sacolé. Clássico desde os anos 80, Claudinho é um dos mais famosos da praia. No alto verão, vende até 3.000 sacolés em três de horas, com vendedores espalhados em Ipanema e Leblon. Dentre os mais vendidos, está o de mousse de maracujá, ótimo pra refrescar a tarde e adoçar a vida.

Mate de galão


Essa iguaria estupidamente gelada refresca cada célula do seu corpo já no primeiro gole. Em um galão, uma dose de mate, em outro, um pingado de limão. É bom fidelizar um vendedor, pois alguns tem procedência duvidosa. O mais famoso vendedor do ponto conhecido como Coqueirão, quase em frente à rua Maria Quitéria, é o Marcelo, uma unanimidade. Além do mate mais delicioso, ele costuma ter sedas e isqueiro, caso você precise.

Açaí
Marçal (foto) é quem vende mais tijelinhas de açaí. Ele lançou mão até de um megafone para conquistar a clientela, onde berra numa performance quase teatral. “Açaí, açaí! Com mel de abelha”, em todas as entonações possíveis, virou seu bordão.

Árabe
A música El Arbi, do Khaled, fez um baita sucesso nos anos 2000. O único lugar que você poderá ouvi-la hoje em dia, provavelmente, é na praia, no rádio do “Khaled” carioca. Quando ouvir o hit e avistar no horizonte alguém com vestimentas das arábias, não, não é uma miragem. É quibe e esfirra pra matar a sua fome. 

Escrito por Bruna Velon
Compartilhe

Comentários dos leitores

blog comments powered by Disqus

Outras notícias recomendadas

Hair & Beauty 2016

Boulevard Olímpico

Baixo Suíça reabre com tecnologia para deficientes