Time Out Rio de Janeiro

Guia de Santa Teresa

Descubra o resumo do melhor deste bairro bucólico carioca

Enquanto a maioria dos recém-chegados ao Rio de Janeiro vão direto para as areias douradas de Ipanema e Copacabana, Santa Teresa torna-se um rival que briga pelo amor dos turistas mais aventureiros. Ruas de paralelepipedos, arquitetura colonial e sua localização remota entre morros que dividem a zona sul do centro, faz de Santa um lugar encantador, longe dos arranha-céus da Zona Sul.


Comer e beber


Gastronomicamente falando, Santa Teresa é repleto de restaurantes que se aproveitam assumidamente do cenário fantástico. Esse modesto sentimento não deve deixar passar a oportunidade de conferir a vista do Térèze, nem o romântico e sublime bar-restaurante do Hotel Santa Teresa e a "casa da árvore" no Aprazível com suas vistas do centro da cidade e memoráveis receitas abrasileiradas. Pratos saudáveis para atender orçamentos mais modestos podem ser encontradas no Simplesmente ou no Bar do Arnaudo, ambos próximos ao Largo do Guimarães, enquanto para os amantes de frutos do mar se sentirão bem tratados, tanto no Sobrenatural como no especialista amazônico Espirito Santa (foto), um pouco mais abaixo da rua principal.

Quando o sol se põe as encostas ganham uma nova vida, enquanto os boêmios moradores de Santa enchem as ruas dos bares para um bate-papo. Junte-se a eles para um shot de cachaça artesanal no digníssimo Bar do Gomez, ou admire a arte nas paredes do Bar do Mineiro como a nossa placa preferida "Pire" em formato de "Pare", enquanto toma uma cerveja de garrafa gelada. A casa do alemão Mike Haus pode não atrair o mesmo público, mas o suculento burger da casa no final da noite é o desfecho perfeito para terminar o seu dia.


Pela cidade


A melhor maneira de explorar Santa Teresa é simplesmente a pé, mesmo que as pedras tenham uma palavra a dizer ao fim de umas horas. Comece pelo Largo do Curvelo, bebendo e apreciando a vista deslumbrante da Baía de Guanabara, antes de fazer uma curta caminhada até o Parque das Ruínas (foto). Esta mansão outrora grandiosa caiu em ruínas após a morte de seu proprietário em 1946, e sua restauração inovadora em vidro e ferro utiliza a casca do que foi deixado em uma fusão surpreendente entre o velho e o novo. Bem como ter a sua prórpia vista espetacular da cidade, o Parque das Ruínas fica ao lado do Museu da Chácara do Céu, o principal museu de arte do bairro, que inclui obras de Miró e Matisse.

O Largo do Guimarães é a coisa mais próxima que este bairro tem de um centro. Os rebanhos de turistas precipitam-se para as lojas e barracas de rua, procurando jóias tanto de 10 centavos até artefatos originais e preciosos que você vai querer levar para casa. Uma aposta mais segura para os amantes da arte é seguir em frente e fazer uma visita a um dos muitos estúdios de arte, como o inusitado Ateliê Pedro Grapiúna. Também vale a pena uma visitar a CasAlegre Art Vila (Rua Monte Alegre 316), um dos poucos espaços em Santa que recebe exposições de um artista novo a cada mês. A pousada também oferece cursos de culinária, massagem e ioga, assim como o espaço de exposição em uma bela casa antiga.

Há muitas formas de sair de Santa para chegar ao nível cá de baixo. Algumas são mais seguras do que outras, mas caminhar na Rua Monte Alegre oferece uma visão, ainda que um pouco contraditória, da igreja ortodoxa russa, Santa Zenaide (Rua Monte Alegre 210, 2252 1471), com a sua cúpula de ouro icônico. Mais acima na mesma rua é o Centro Cultural Laurinda Santos Lobo (Rua Monte Alegre 306, 2242 9741), que tem uma seleção bastante tímida porém bem selecionada de eventos culturais que acolhe desde exposições fotográficas a fins de semana de yoga.

O branco Castelo Valentim é outra curiosidade impressionante, é quase no ponto mais alto da Rua Almirante Alexandrino e é visível de algumas partes do Centro. O castelo de conto de fadas, agora dividido em apartamentos, foi encomendado por um imigrante belga no início do século passado e foi deixado ao seu arquiteto quando ele morreu. Não está aberto para visitantes, mas faz algumas fotos bem dramáticas com seu pano de fundo verde e rico da floresta. Da mesma forma se destaca de longe o velho Convento de Santa Teresa (Ladeira Santa Teresa 52, 2224 1040), que é por si só um prédio bastante interessante e tem um papel muito significativo na história do bairro de Santa Teresa. Este edifício se desenvolveu depois de as irmãs Jacinta e Francisca Rodrigues Ayres terem ganho permissão para construir o convento em 1750.


Eventos


Santa Teresa é sinônimo de vida boêmia, e grande parte da população de artistas abre as portas de seu estúdio para o público em geral uma vez por ano, num fim de semana conhecido como Arte de Portas Abertas. Geralmente realizado por volta de junho ou julho, pode esperar jazz improvisado nas ruas e montão de exposições durante todo o dia,e noite.

Como chegar


Santa Teresa pode ser bonito, mas é também um pouco difícil de chegar. Até agosto de 2011, saltando a bordo dos frágeis bondes amarelos para chegar a este ponto era um "must" na agenda turística, mas depois de um trágico acidente em que seis pessoas morreram, todos os bondes foram retirados para grandes reparações. A sua melhor aposta é pegar o ônibus 006 ou 014 do Centro, ou ver se pode convencer um taxista a fazer a escalada. Note que o bom humor do motorista é essencial, caso contrário você pode correr o risco de ter sua corrida negada, se o taxista insistir que a ladeira inclinada para Santa é prejudicial para seu carro. Moto taxis também são sempre uma opção, para os mais aventureiros.

Escrito por Time Out Rio de Janeiro editors
Compartilhe

Comentários dos leitores

blog comments powered by Disqus

Outras notícias recomendadas

Hair & Beauty 2016

Boulevard Olímpico

Baixo Suíça reabre com tecnologia para deficientes