Time Out Rio de Janeiro

A dona da festa

Conheça um pouco mais sobre a promoter que produz a festa Luv e é dona de uma fórmula imbatível de amor. Representando a cena de hip hop e rap da cidade sem pré conceitos!  

Quem é carioca de carteirinha mesmo já bateu ponto, nem que por uma vez apenas, na festa mais charmosa de hip hop e rap da cidade. E ainda digo mais, se você ainda não ouviu falar da promoter que representa o rap no Rio está por fora! Pra quem não sabe esse mês é aniversário de uma das figuras mais queridas da noite na cidade. Dona da imbatível fórmula do amor que garante o sucesso da Luv há 4 anos, Nicole Nandes é carioca por escolha, mineira de nascença e definitivamente uma das “minas” que mais representa a voz do rap por aqui.

No dia 1º de Março, a loiríssima assopra as velhinhas dos seus 36 aninhos numa comemoração em grande estilo. A edição extra especialíssima da Luv - RAP B-Day Nicole Nandes, que volta as origens subindo a ladeira no Santa Marta. A noite promete ser longa e vai sacudir a Quadra da Favela.

Para conhecer um pouco mais da mãe desse amor todo, amiga de manos como Marcelo D2, Mano Brow e Black Alien, check it out a entrevista que ela deu pra Time Out Rio!

Pra começar conta um pouco de como e quando nasceu a LUV?
Eu trabalhava como Hostess no 69 e fazia umas festas de hip-hop com os amigos na Lapa. E sentindo falta da nossa cultura Hip-hop, do Rap underground, nacional e dessa mistura que a Lapa oferece e tem, tbm aqui nas boates da Zona Sul, com a vontade dos amigos músicos, do Rap, teatro, Tv, que trabalham geralmente no fim de semana, da galera da minha faixa etária, mais velha, rs, em ter um lugar pra curtir o Hip-hop, black music que gostam de sair durante a semana, nasceu a Luv. Pra misturar e trazer pra zona sul, pra um lugar bacana como o 69, o que antes, só acontecia praticamente na Lapa ou em lugares mais underground.

Você usa e abusa da “fórmula do amor” que envolve todas as produções da LUV. Isso é uma filosofia? Que fórmula é essa?
A gente que trabalha com cultura de rua, urbana, não estaria nessa se não fosse por muito amor. Ainda tem muito pré-conceito com o Rap, com a música de preto, com o preto em si, mesmo estando camuflado e pra alguns na moda. o Rap é uma arma contra o sistema, o politico; A favor do povo, do gueto, do menos favorecido. A cultura hip-hop é o amor, união a quebra do Pré-conceito. Rico, pobre, branco, preto, junto e misturado, pelos amor! A LUV que é uma giria vindo de Love, é o maior responsável pela fórmula. O nome ja fala por si. Diz tudo o que a gente quer. Se não for com amor, impossível dar certo.

A LUV já rola há alguns bons anos e não perde o público nem o charme, qual o segredo?
O segredo é o mesmo que a fórmula: amor!

Quem frequenta a LUV?
A Luv surgiu da minha necessidade e dos nossos amigos músicos, mcs, Djs, do teatro, Tv e da cultura Hip-hop de ter um lugar pra ir durante a semana e se encontrar, fora a mesa de bar. Mas eu tbm vou na lapa, na Favela, em Madureira e tenhos muitos amigos lá. Então, a Luv tem isso.. Essa mistura dos lugares que vou e pessoas que gosto. Isso é o Bonde do amor!

Ano passado você também comemorou seu aniversário numa edição especial que rolou no Vidigal. E aí, dá pra curtir ou é só ralação?
Eu amo o que faço! só de estar tendo o prazer de reunir meus amigos pra comemorar, mesmo com tanta ralação, pra mim já é curtição. Ver eles se divertindo, mesmo eu não conseguindo, pela ralação, sem demagogia nenhuma, é a maior realização do trabalho. ano passado, teve gente que só fui saber que estava na festa pelas fotos e comentários nos dia seguinte nas redes sociais. Mas mesmo assim, sempre vale muito a pena!

Você é uma mina do rap (se considera?), mais que respeitada na noite carioca, como foi entrar nesse meio?
Mais uma vez, a culpa é do amor! Eu amo o Rap. Acho que o respeito vem disso. independente de cor e classe social. Quem me conhece sabe, quem ta me conhecendo agora, pela caminhada, começou a perceber isso. Sempre digo que sou branca só por fora .. Minha casca é preta e minha raiz é a rua, a favela. Em 1998, me apaixonei pelo underground, virei fã de uma festa que rolava todos os Sábados na Lapa, chamada Zoeira, graças ao Marcelo D2, meu padrinho, como ele diz, rs. E a partir daí, indo na Lapa conheci e fiquei amiga dos meus ídolos e dos melhores da cultura Hip-Hop. Marechal, Aori, De Leve, Negralha, Pachu, B-Negão, Black Alien... Esse era meu bonde, minha escola, na época. Entrei no meio ja muito bem abençoada!

Você levou Mano Brown pra se apresentar no 00. Foi tranquilo ou teve alguma situação nos bastidores?
O Brown ja era meu amigo e nunca tinha se apresentado numa boate do Rio. Mas ele ja sabia como era a Luv. o DJ Kl Jay do Racionais ja tinha tocado lá. o Ice blue ja tinha ido tbm.. a família Racionais. só faltava ele. Óbvio que ter o cara mais importante do Rap nacional la, pela primeira vez, cantando numa boate do Rio, por si só, ja não é tranquilo. O 00 ficou pequeno. E era um tal de ''famoso'', jogador de futebol chegar la, querendo cercadinho, furar fila e dar carteirada. Mas também, pelo apelo que a festa tem de, na Luv todo mundo é VIP (são tratados da mesma forma) e todo mundo paga, os mesmos ficaram sem graça e entraram no clima da festa, esperando na fila, pagando lista amiga e se misturando na pista com o bonde do amor e sem area vip, pq isso não é Luv! rs.

Tem algum nome que você gostaria de trazer pra se apresentar aqui no Rio?
Em 4 anos de Luv, ja consegui trazer quase todos os meus ídolos e apostas.. Como desse ano com a volta do Black Alien pros palcos e também apresentamos o Ret. Que pra mim, será o nome da nova geração do Rap. Mas sempre falta gente. Não vou citar nomes pro resto não ficar com ciúmes. rs. Agora, pra jogar alto e acho, é sonho de qualquer produtor, até pq no Rio é dificil realizar, pela dificuldade de conseguir patrocínio, são os ídolos de fora.. Pharell, Mos Def, Common e o Rei Jay-z. isso é sonho!


Conta um pouco da época em que era hostess da Bunker e do Dama de Ferro. Como foi trabalhar nessas boates?
Na Bunker eu passei muito rapidinho, fui cobrir as férias de uma Hostess e logo fui convidada pro Dama de Ferro onde fiquei 6 anos. Tanto uma quanto a outra, escola pra vida! As boates mais underground da cena do Rio, onde você tinha e via de tudo. Dos melhores Djs, a público de todos os tipos. Liberdade e libertinagem juntas. Aprendi a entender, respeitar, saber lidar e gostar muito mais do ser humano lá. cada um na sua onda, loucura, com seu ego e ''fama.'' acho que isso tbm me influenciou a querer ter uma festa onde a mistura fosse o fator predominante junto com o respeito e amor.

Qual dos falecidos inferninhos você sente mais falta: Bunker, Dama ou 69? Se é que vc sente falta..
De todos. Na Bunker, quando passou sua época áurea do underground, ela resistia com uma festa de hip-hop todas as quintas do meu amigo Saddam, onde eu batia ponto e adorava! No Dama, pq lá foi onde passei a maior parte da minha vida e aprendi muito. Era como se fosse minha casa e as pessoas minha família. E do 69, pq foi o lugar que eu mais gostei de estar, trabalhar, mais me divertia nas festas, e onde a Luv nasceu... é o lugar que mais sinto falta e saudade no Rio.


O que você tem achado da noite do Rio, existe alguma festa que vc não perde por nada?

Tirando o verão que o Rio bomba e a gente fica louco com tanta opção, eu sou daquelas que mesmo trabalhando com noite, sinto falta da boa noite carioca! mais ainda.. do público indo nas boas noites. Até porque, as festas mais legais que rolam, é impressionante, são as que menos ficam cheias. A grande maioria das pessoas saem pra ir onde está todo mundo, o buxixo e não onde ta tocando o melhor DJ. Isso é triste pra cultura, desanimador pra tazer os Djs de fora e por isso tbm muita festa bacana não resiste e acaba. Principalmente as semanais e de hip-hop. Saio mais pra ir em shows e bar, quando não tem Luv, do que pra festas. não gosto das cheias que rolam no final de semana e são raras as que resistem ao meio da semana, que é quando gosto de sair.. como a Yaya hi-fi do Marcelinho da Lua, que sempre quando posso, estou, que rola nas terças.. Mesmo assim, sigo acreditando na qualidade, não na quantidade.

O que a Nicole Nandes anda escutando ultimamente?
Eu sou do rap oldschool na veia e amo black music... Então, sempre estou ouvindo Erykah Badu, Jill Scott, Marvin Gaye, Public Enemy, Racionais. Mas tbm gosto de conhecer e pesquisar o novo. principalmente o Rap nacional. Tô viciada em Don L, amo o disco novo do Kamau, Ret e lá de fora, um menino que adoro e pra mim, foi o disco do ano passado, é o Joey Bada$$.

Existe algum projeto novo em vista?
Ainda estou com foco, mente e coração pra Luv do dia 1º de março no Morro Santa Marta.. é a primeira edição lá, meu aniversário e eu só consigo pensar nisso. dando certo, quem sabe ja não é um projeto novo?! Uma residência mensal Luv lá. Quem sempre decidi isso na Luv é o próprio público.. nosso Bonde do amor. Minha intuição vai me guiando de acordo com a necessidade e aceitação deles. E por enquanto é o Santa Marta.
 

Escrito por Nice Jourdan
Compartilhe

Comentários dos leitores

blog comments powered by Disqus

Outras notícias recomendadas

Hair & Beauty 2016

Boulevard Olímpico

Baixo Suíça reabre com tecnologia para deficientes