Time Out São Paulo

Coordenadas

A Zona Norte da cidade foi o berço do movimento punk entre os anos 1970 e 1980. Nas imediações do bairro Vila Carolina (entre o Limão e a Freguesia do Ó), brotaram bandas pioneiras como os Condutores de Cadáver (sic) e Restos de Nada – que por sua vez inspiraram novos grupos como o Cólera e os Inocentes.

O documentário Botinada - A Origem do Punk no Brasil, de Gastão Moreira, retrata bem os passos desse bando que se uniu em torno do som punk e de uma região da cidade – a Galeria do Rock era outro ponto de encontro, por onde rodavam os flyers dos shows e onde se encontravam as gangues que originariam manchetes bombásticas nos jornais.

Tal a amplitude do fenômeno que, ao ouvir o nome Freguesia do Ó, o célebre baiano Gilberto Gil traçou a relação imediata com o movimento punk. O compositor se surpreendeu com a sonoridade da última sílaba, uma referência religiosa, na verdade. O bairro foi batizado em homenagem à Nossa Senhora do Ó, uma espécie de ‘apelido’ para Nossa Senhora da Expectação – o ‘Ó’ foi incorporado pois fazia parte dos cantos de uma novena de Natal.

Inspirado pelo nome, Gil costurou o cru e rústico punk paulistano com uma canção de apelo pop, Punk da Periferia, lançada no álbum 'Extra', de 1983. Uma guitarra de rock se mistura a uma batida ska, com timbres bem ao sabor oitentista.

Mas a letra professa a linguagem punk, citando lixo e esgoto, com essa abertura: “Das feridas/ Que a pobreza cria/ Sou o pus/ Sou o que de resto/ Restaria aos urubus”. E o refrão irresistível provoca: “Aqui pra vocês!/ Sou da Freguesia”. Foi um hit instantâneo.

Escrito por Fabiana Caso
Compartilhe

Comentários dos leitores

blog comments powered by Disqus

Outras notícias recomendadas

Carnaval de rua em SP

20 shows gratuitos no aniversário de SP

Novidades no Jamie´s Italian