Time Out São Paulo

Recantos secretos da 'Vila'

Nas andanças de nossos editores bairros boêmios da cidade, Catherine Balston revela os bares onde os moradores da Vila Madalena refugiam-se da invasão 

O movimento começa cedo na Rua Aspicuelta, conforme a Vila Madalena se prepara para o fim de semana. A algumas quadras dali, fora do centro da agitação, revela-se outra faceta deste bairro boêmio: os bares onde os moradores locais refugiam-se da invasão.
A Mercearia São Pedro (Rua Rodésia, 34, 3815 7200, merceariasaopedro.com.br) é o ponto de partida, um clássico da região, a dez minutos de caminhada, ladeira acima, desde a estação Vila Madalena do Metrô. Animada e sem frescuras, esta instituição paulistana funciona ainda como livraria e locadora de vídeo – as prateleiras são abarrotadas com velhas fitas VHS, livros empoeirados e mangás eróticos. Atrás do balcão, o proprietário do bar, Marcos, conta como eram as coisas na Mercearia (firme e forte há 40 anos) antes de a Vila Madalena se tornar tão popular: "Nós sempre lotamos – nossos amigos são artistas, jornalistas e escritores e sempre vieram aqui". A cerveja é barata, mas o serviço é lento e as filas são longas; então, a menos que você esteja preparado para esperar mais de uma hora por uma mesa, desfrute do ambiente tomando uma no balcão e siga adiante.
A cinco minutos dali, encontra-se o Sabiá (Rua Purpurina, 370, 4508 3554), reinaugurado em maio, depois de alguns anos fora de cena. A reabertura foi recebida pelos moradores locais com festa, como se fosse o retorno de um velho amigo. No charmoso interior, procure os ícones do horizonte de São Paulo, no mural branco e preto que cobre uma parede inteira. Escolha uma caipirinha (a de limão-galego, limão e lima-da-Pérsia estava deliciosa) e um prato caseiro para acompanhar; entre as opções, há escondidinho de carne seca e língua de vaca.
Desça a íngreme Rua Purpurina e vire à direita na Rua Delfina, até dar de frente com o que parece ser a garagem de uma casa. Na verdade, trata-se do Bar do Cesinha (Rua Delfina, 66, 3032 0058) – seu charme e simplicidade podem não agradar a todos, mas, para alguns, será amor à primeira vista. Lá dentro, há 65 tipos de cervejas artesanais; nós tomamos Newcastle Brown Ale, Colorado Ale, Spitfire e Bishops Finger – fomos atraídos para a última por um dos pôsteres de cerveja pregados na parede por Cesinha e sua mulher, mostrando uma luxuriante garçonete de taberna, junto aos dizeres "Nothing satisfies me like a Bishops Finger" (Nada me satisfaz tanto quanto uma Bishops Finger). Cesinha também serve uma excelente seleção de cachaças a preços razoáveis (prove uma dose de Claudionor, por R$5) e um delicioso sanduíche de rosbife (R$10). 
Seguindo em frente (o Cesinha fecha por volta das 23h), você chegará ao animado Platibanda (Rua Mourato Coelho, 1365, 3034 5812); se ainda estiver com fome, peça um prato de minicoxinhas (evite os canapés de rosbife). Por outro lado, se quiser ouvir música ao vivo, vá ao escuro e intimista Piratininga (Rua Wisard, 149, 3032 9775) e termine a noite curtindo um jazz. 

Mais em:

Pelas ruas do Bixiga

Mariana, uma vila cheia de segredos

Mapa da boemia

Bares da Vila Olímpia

Escrito por Catherine Balston
Compartilhe

Comentários dos leitores

blog comments powered by Disqus

Outras notícias recomendadas

Os filmes da semana – 01/12/2016

Ceia de Natal da Casa Santa Luzia

Rodízio de brigadeiro