Time Out São Paulo

Elysium

Elysium

Estreia 20 Set 1976

Diretor Neill Blomkamp

Elenco Matt Damon, Sharlto Copley, Jodie Foster, Alice Braga.

Parece haver algo de errado no primeiro filme feito nos Estados Unidos por Neill Blomkamp. Enquanto a estreia do cineasta sul-africano, com Distrito 9, em 2009, foi uma revigorante rajada de ficção científica inteligente, obra de um roteirista e diretor talentoso e íntegro, Elysium parece ser produto de algum comitê cauteloso de Hollywood. Ele mantém a característica de ‘filme de ação com consciência social’ que havia em Distrito 9, mas esquece a vitalidade vertiginosa em que vale tudo.

Matt Damon está vigoroso – embora um pouco inexpressivo – como o operário futurístico cuja vida despenca quando sofre um acidente com radiação no trabalho, o que lhe deixa apenas cinco dias de vida. Sua única esperança é ir a Elysium, o paraíso em órbita reservado exclusivamente para os ricos e impiedosos, comandando pela CEO francesa interpretada por Jodie Foster – de cabelo curto, fria e nada convincente.

Há momentos em Elysium que retomam a intensidade de tirar o fôlego do primeiro filme de Bloomkamp, a maior parte envolvendo o ator sul-africano Sharlto Copley, um mercenário africâner desfigurado, único personagem com algum brilho (embora valha salientar que o elenco também inclui os atores brasileiros Alice Braga e Wagner Moura). Os efeitos especiais são soberbos do início ao fim, e algumas sequências de ação – incluindo um magnífico roubo de um carro Smart, na metade do longa – justificam o preço do ingresso.

Mas trata-se de um filme confuso e mal estruturado, com uma trama cheia de lacunas e sem nenhuma conclusão satisfatória. Talvez seja mais um caso de expectativa elevada: após Distrito 9, estamos cientes do que esse cineasta ousado é capaz. Ele é muito mais do que esse filme conceitualmente audaz, por vezes estimulante, mas basicamente um blockbuster sem personalidade.

Escrito por Tom Huddleston
Compartilhe

Comentários dos leitores

blog comments powered by Disqus