Time Out São Paulo

R.I.P.D. – Agentes do Além

R.I.P.D. – Agentes do Além

Estreia 27 Set 2013

Diretor Robert Schwentke

Elenco Ryan Reynolds, Kevin Bacon, Jeff Bridges.

 Mesmo com uma atuação divertida de Jeff Bridges (como mais um policial do faroeste que saiu da prisão, ele repete seu personagem intratável de Bravura Indômita), os elementos insossos da comédia de ação R.I.P.D. – Agentes do Além se amontoam como cadáveres não enterrados.

Primeiro vem o lindo Ryan Reynolds, o protagonista mais sem graça de Hollywood, que mais uma vez não consegue animar uma produção milionária que gira em torno dele. Como um tira obscuro de Boston prestes a decepcionar sua amorosa esposa, ele chega muito rapidamente à simplória expiação no além; seu parceiro (Kevin Bacon) atira em seu rosto. De repente, há um novo emprego para ele, de policial-fantasma – acrescente pelo menos mais quatro cadáveres incômodos: os dos autores desse roteiro cheio de clichês, que está no topo da pilha de rejeitados pelo ator Will Smith, que, por sua vez, não está em sua melhor forma se tomarmos como base seu novo filme, Depois da Terra).

O enredo paralelo, da relação entre o certinho e confuso Reynolds e o veterano profissional sobrenatural Bridges, acabará com qualquer boa lembrança que você tiver de filmes excêntricos sobre policiais parceiros. As rusgas – na verdade, apenas uma história envolvendo comida indiana – são escassas. Mas de qual cadáver sai o fedor que impregna o filme? Certamente do diretor picareta Robert Schwentke, cuja falta de personalidade para perseguições ao estilo de Os Caça-Fantasmas e para a violência leve acaba parecendo um vício por besteiras. É realmente demais quando Boston tem um colapso em uma chuva de destroços, mas, mesmo assim, não dá para sentir nada.

R.I.P.D. – Agentes do Além entra para a lista dos filmes que tentaram ser blockbusters e não conseguiram (O Ataque, O Cavaleiro Solitário etc). Todos eles parecem ter gosto de pipoca de ontem; que tal começar com um roteiro realmente bom, para variar?

Escrito por Joshua Rothkopf
Compartilhe

Comentários dos leitores

blog comments powered by Disqus