Um Toque de Pecado: crítica do filme

2

Delicados, acadêmicos e às vezes obscuros, os filmes socialmente conscientes do diretor chinês Jia Zhangke nem sempre fizeram boa viagem, apesar de sempre estarem presentes em festivais internacionais (seu último trabalho, o documentário Memórias de Xangai, de 2010, nem foi distribuído no Reino Unido). Em teoria, o filme com o título sugestivo de Um Toque de Pecado promete ser um pouco mais comercial.

Para começar, ele dá a improvável explicação de que os filmes de artes marciais, particularmente os do finado cineasta King Hu, mestre do gênero wuxia (que mistura fantasia e artes marciais), foram sua grande inspiração desta vez.

Ainda assim, quem estiver esperando aquela extravagância de chutes e socos vai mudar de ideia poucos minutos após começar a assistir a esse estudo longo e meditativo sobre a violência cotidiana na sociedade chinesa contemporânea. Dito isto, o novo filme, sanguinolento, ainda deve chocar os fãs do diretor, pois ele pontua sua franca análise sociopolítica com surtos exaustivos de carnificina ao estilo do diretor japonês Takashi Miike.

Esses flertes com o gênero não vêm de forma muito natural para Jia: uma personagem desesperada enfia uma faca no pulso com uma falta de familiaridade endurecida, e o cineasta muda de tom tão mecanicamente quanto. Ainda que o resultado final seja um tanto menos refinado que seus trabalhaos anteriores, é muito mais vigoroso.

Se os filmes de Jia geralmente parecem não entregar suas entrelinhas para o público de fora da China, Um Toque de Pecado não é exceção. Suas quatro narrativas, virtualmente ligadas e ocasionalmente sobre estrangeiros, na verdade são tiradas de casos notórios recentes do país: um minerador demitido busca ficar quite com aqueles que lhe custaram o emprego; um trabalhador imigrante descobre a possibilidade de uma arma; uma recepcionista de spa (a esposa e musa de Jia, Zhao Tao, que tem a atuação mais vívida do filme) perde a cabeça após ser atacada por um cliente; um operário adolescente itinerante busca uma drástica rota de fuga para sua existência monótona.

Somente a história da mulher se desvia e se isola; o interesse nos homens deriva principalmente de nossa curiosidade de como eles se conectam, se é que se conectam. Enquanto isso, as narrativas se passam em regiões diferentes do país, cada uma mais isolada e belamente filmada que a outra. É cinema de viagem para os dissolutos e marginalizados.

Escrito por Guy Lodge

Um Toque de Pecado: crítica do filme vídeo

Mais sobre Um Toque de Pecado: crítica do filme

Duração 133 minutes

País de origem China

Ano de produção 2013

Classificação Not available

Estreia 6 Dez 2013

Diretor Jia Zhangke

Elenco Wu Jiang, Wang Baoqiang, Zhao Tao.

Comentários dos leitores

blog comments powered by Disqus
 

© 2011 - 2016 Time Out Group Ltd. All rights reserved. All material on this site is © Time Out.

powered by