Time Out São Paulo

Argo

Argo

Diretor Ben Affleck

Elenco Ben Affleck, Bryan Cranston, John Goodman


Em novembro de 1979, no Irã, após a queda do regime do Xá e da tomada do poder pelos fundamentalistas islâmicos do aiatolá Khomeini, uma multidão de 'estudantes' tomou a embaixada dos Estados Unidos em Teerã, fazendo reféns 52 americanos. Os revolucionários exigiam que o governo de Jimmy Carter extraditasse o Xá (Reza Pahlavi estava prestes a morrer de câncer em um hospital dos EUA, onde havia se refugiado), e durante 444 dias os reféns foram intimidados, humilhados e aterrorizados. Mas durante a invasão da embaixada, seis americanos conseguiram fugir, aproveitando a confusão, e se refugiaram na embaixada do Canadá.

Para os tirar de lá, a CIA recorreu a Antonio “Tony” Mendez, um agente perito na 'extração' de pessoas de países hostis. Com a colaboração de John Chambers, um especialista em efeitos de maquiagem que já havia ganhado o Oscar pelo filme O Planeta dos Macacos, e de um colega dele, Mendez inventou um filme de ficção científica canadense chamado Argo, que iria ser filmado no Irã. Criou identidades canadenses falsas para si e para os seis refugiados na embaixada do Canadá, voou em 1980 para a capital iraniana com passaportes falsificados e conseguiu sair do país com os seis compatriotas, disfarçados de membros de uma equipe de produção da imitação de Guerra das Estrelas. Este feito ficou em segredo até o dossiê ser revelado pelo presidente Clinton. Em 2007, foi narrado por um jornalista da revista Wired, e agora surge contado num livro co-assinado por Mendez, e no filme dele e de Ben Affleck, Argo.

Uma mistura de thriller político e sátira a Hollywood, Argo toma algumas liberdades com a história original, inventando personagens que nunca existiram, como o produtor veterano interpretado por Alan Arkin, suprimindo figuras reais, como Julio, o agente que acompanhou Mendez a Teerã e recriando a saída do grupo dos sete do Irã com um clímax do gênero “safaram-se-por-um-triz” que não corresponde à realidade, mais banal e linear.

Mas Argo tem também muito humor entre o roer de unhas da tensão. Affleck recria com autenticidade o clima da época e o ambiente no Irã e nos EUA com a ajuda de imagens contemporâneas, interpretando um Mendez acompanhado por atores secundários impecáveis, como John Goodman e Arkin. O filme tem como brinde uma das frases do ano, que ficará na boca de todos. 

Escrito por Sérgio Abranches
Compartilhe

Comentários dos leitores

blog comments powered by Disqus