Anna Karenina

3
Universal Pictures/Divulgação


Muita gente nem percebeu que Joe Wright dirigiu dois filmes desde Orgulho e Preconceito (2005) e Desejo e Reparação (2007). A biografia de um violoncelista indigente, O Solista (2009), teve pouco público. Mais pessoas viram Hanna (2011), um assustador suspense de perseguição com Saoirse Ronan, mas podem não ter reconhecido o longa como obra de um cineasta cujos maiores méritos na carreira vieram quando colocou Keira Knightley em belos vestidos de época.

À primeira vista, seu mais recente trabalho, mais uma adaptação de Anna Karenina, o tijolo de Leon Tolstói já filmado diversas vezes, pode parecer uma aposta ‘testada e aprovada’. Knightley está de volta. Os vestidos de época também. Mas este Anna Karenina – bem humorado e, por vezes, glorioso – parece ter pegado mais características da outra heroína
de nome parecido, Hanna, do que seria de se esperar, sendo que Wright elevou em alguns degraus a brilhante estilização do último filme, entrando num território que lembra o diretor Baz Luhrmann (o longa começa com cortinas de veludo vermelho, provável referência à trilogia teatral de Luhrmann: Vem Dançar Comigo, Romeu+Julieta e Moulin Rouge!).

As músicas pop foram evitadas na exuberante trilha sonora, mas a grande artimanha do filme foi ambientar o épico romance russo – com corridas de cavalo, lagos congelados e tudo mais – quase que inteiramente dentro de um teatro, com os personagens alheios ao seu contexto enquanto expressam emoções em torno de iluminadores e roldanas. Trata-se de uma jogada corajosa e desorientadora; a “peça dentro do filme” é uma metáfora eficaz do inevitável olhar da alta sociedade moscovita sobre a repulsa de Anna ao seu tedioso marido (Jude Law) em favor às atenções mais viris do oficial da cavalaria Vronsky (Aaron Taylor-Johnson).

É o filme mais bonito de Wright, e Knightley, com exagerados casacos de pele e véus de renda, nunca pareceu tanto com uma autêntica estrela de cinema. Mas, como Anna bem aprende, toda essa beleza tem um preço e, embora a suntuosa adaptação de Wright impressione, o filme na verdade nunca nos emociona: a paixão entre Anna e o afetado Vronsky de Taylor-Johnson é obscurecida pelo cenário, enquanto a adaptação do roteirista Tom Stoppard não consegue criar a ligação emocional entre suas histórias e o romance paralelo mais puro de Levin (Domhnall Gleeson) e Kitty (a maravilhosa Alicia Vikander). É como se Wright tivesse gastado tanta energia em reenquadrar o enredo já tão conhecido, que a história em si se tornou secundária.  
 

Escrito por Guy Lodge

Mais sobre Anna Karenina

Duração 129 minutes

País de origem Reino Unido

Ano de produção 2012

Classificação Not available

Estreia 15 Mar 2013

Diretor Joe Wright

Elenco Keira Knightley , Matthew Macfadyen, Jude Law

Comentários dos leitores

blog comments powered by Disqus
 

© 2011 - 2016 Time Out Group Ltd. All rights reserved. All material on this site is © Time Out.

powered by