Os Amantes Passageiros

4
Paris Filmes/Divulgação


Um teste básico da autoria de um diretor é ver se ele é capaz de fazer em um espaço pequeno e fechado o que costuma fazer com mais liberdade cênica. No Tempo das Diligências e Um Barco e Nove Destinos são, sem dúvida, os grandes filmes de John Ford e Alfred Hitchcock, apesar de se passarem quase todo o tempo em uma carroça e em um barco. Alguns cineastas prosperam nesse modelo, outros parecem inapropriados a ele: Repulsa ao Sexo, de Roman Polanski, é, em muitos aspectos, sua obra-prima, enquanto que um dos apelos de 127 Horas foi ver como o dinâmico Danny Boyle contaria a história de um homem preso sob uma rocha.

A maior parte de Os Amantes Passageiros, de Pedro Almodóvar, acontece dentro de um avião comercial, e sem dúvida não poderia ter sido feito por outra pessoa além do cineasta espanhol. Humor e drama de alto nível, segredos de família e mentiras podres, o uso da narrativa e o abuso do subconsciente, guinadas sobrenaturais e reviravoltas melodramáticas – as questões que são sua marca estão todas a bordo e prontas para decolar.

Uma declaração inicial nega qualquer ligação entre o filme e a realidade, mas, ainda assim, Os Amantes Passageiros é uma espécie de farsa excêntrica da situação do país. A classe executiva fervilha com um punhado de tramas de ressonância sócio-política, girando em torno de uma celebridade (Cecilia Roth), um banqueiro trapaceiro (José Luis Torrijo), um mexicano misterioso (José María Yazpik) e uma virgem paranormal (Lola Dueñas). A classe econômica está às traças. O voo tem problemas. A tripulação da cabine (Javier Cámara, Carlos Areces, Raúl Arévalo) dedica-se à distração, uma folia regada a bebidas, drogas, boquetes e dublagens. Há um rompante de dança, outro de sexo, muita tequila. É uma diversão desenfreada, mesmo que nem sempre fique claro aonde é que vai dar.

Como em qualquer filme de Almodóvar, as ligações com seus filmes anteriores são muitas: podemos pensar no gazpacho de Mulheres à Beira de um Ataque de Nervos, na ética contestável à beira da cama de Fale com Ela, nos sequestradores terroristas de Labirinto de Paixões. De fato, com essa sátira escancarada e esse tom de pastelão, Os Amantes Passageiros é o mais perto que Almodóvar chegou, em anos, de suas brincadeiras iniciais, como Labirinto, Pepi, Luci, Bom e O Que Fiz para Merecer Isto?. O contexto, é claro, mudou da libertação pós-Franco para a ansiedade pós-crise na Espanha: depois de sobreviver a uma queda, os passageiros agora encaram
mais uma. O conselho do cineasta é tentar ser honesto e fazer sexo. Apertem os cintos – será uma noite de turbulências. 


Escrito por Ben Walters

Mais sobre Os Amantes Passageiros

Duração 90 minutes

País de origem Espanha

Ano de produção 2013

Classificação Not available

Diretor Pedro Almodóvar

Elenco Javier Cámara, Carlos Areces, Raúl Arévalo

Comentários dos leitores

blog comments powered by Disqus
 

© 2011 - 2016 Time Out Group Ltd. All rights reserved. All material on this site is © Time Out.

powered by