Cineminha?

As estreias da semana, por André de Leones

Imagem Filmes/Divulgação
Michelle Williams em 'Sete Dias com Marilyn'
Michelle Williams em 'Sete Dias com Marilyn'

Já pensou em sair de casa e ver um bando de marmanjos uniformizados arrasando o mundo inteiro a fim de, justamente, salvá-lo? Ok, Scarlett Johansson não é um marmanjo, mas o arrasa-quarteirões da semana está cheio deles: Os Vingadores – The Avengers, sim, aqueles dos quadrinhos Marvel. Depois de uma série de filmes-solo (Hulk, Homem de Ferro, Thor, Capitão América), a ideia agora é capitalizar em grupo. Coisa bem diferente é o mergulho proposto por Girimunho no sertão mineiro. Serotonina em vez de adrenalina. Por que não? Já espectadores convencionais e pouco dispostos à barulheira de Os Vingadores talvez prefiram Sete Dias com Marilyn, em que Michelle Williams incorpora um dos maiores – e mais problemáticos – sex symbols da história do cinema. 

Os Vingadores - The Avengers | Girimunho | O Homem que não Dormia
 As Idades do Amor | Sete Dias com Marilyn | Sonhos em Movimento | Slovenian Girl


Os Vingadores - The Avengers

Talvez possamos dividir a atual onda de adaptações de quadrinhos em duas fases. A primeira, iniciada há cerca de dez anos, trazia filmes dirigidos por nomes consagrados ou, pelo menos, respeitáveis, como Sam Raimi (responsável pelos três primeiros Homem-Aranha), Bryan Singer (os dois primeiros X-Men) e Ang Lee (do subestimado Hulk lançado em 2003). Com filmes no mínimo decentes, eles reafirmaram esse subgênero como um dos mais rentáveis e abriram caminho para os caça-níqueis, superproduções que variam entre o ruim (Justiceiro) e o intolerável (Mulher-Gato), com medonhas gradações de cinza entre uma coisa e outra (Lanterna Verde, Capitão América, Thor).

Os Vingadores é mais um produto insosso, desprovido de identidade, cometido por uma abelha operária que até outro dia assinava episódios de Buffy e Angel. Alguns espectadores talvez se divirtam com as piadinhas cansativas de Robert Downey Jr., de novo como o Homem de Ferro, ou com Mark Ruffalo, o terceiro bom ator a encarnar o Hulk em menos de dez anos (antes dele, tivemos Eric Bana e Edward Norton).

A história? A equipe do título é recrutada por Nick Fury (Samuel L. Jackson), diretor de uma agência internacional chamada SHIELD, a fim salvar a Terra de um supervilão e seu exército. Alguém faturou muito dinheiro para rascunhar isso aí.

Dir. Joss Whedon, EUA, 2012. Robert Downey Jr., Chris Evans, Mark Ruffalo, Chris Hemsworth, Scarlett Johansson, Jeremy Renner, Tom Hiddleston, Samuel L. Jackson, Gwyneth Paltrow, Clark Gregg, Stellan Skarsgard. 142 min. 


Girimunho

 O roteiro de Girimunho é assinado por Felipe Bragança, cineasta brasileiro da novíssima geração e diretor de filmes instigantes como A Fuga da Mulher Gorila e A Alegria. Seu estilo se aproxima do entendimento que Andrei Tarkovski tinha do cinema como uma forma de esculpir o tempo, e isso é mantido, aqui, pelos diretores Helvécio Marins Jr. e Clarissa Campolina. Essa acepção está muito evidente em Girimunho, até pelo modo como os diretores buscam apreender o ritmo da vida no sertão mineiro. Exige-se, portanto, uma desaceleração por parte do espectador para acompanhar personagens como Bastú, que perdeu o marido há pouco e busca consolo nos sonhos e nos netos. Há toda uma geografia humana a ser explorada mediante pequenos movimentos. O sertão, em Girimunho, é algo bem mais subjetivo do que uma mera paisagem externa, até porque a aventura proposta pelo filme é, antes de tudo, interior.

Dir. Helvécio Marins Jr. e Clarissa Campolina, Brasil, 2011. Maria da Conceição, Luciene Soares da Silva, Wanderson Soares da Silva, Izadora Fernandes. 90 min. 


O Homem que não Dormia

Em um lugarejo remoto, cinco pessoas são acometidas por um mesmo pesadelo envolvendo um homem sinistro e um tesouro enterrado. A chegada de um peregrino misterioso, idêntico ao personagem do sonho, irá deflagrar uma ruptura na vida do lugar. O segundo longa de Edgard Navarro dificilmente pode ser conformado a um gênero específico. A genealogia do cineasta é clara: Pier Paolo Pasolini e Glauber Rocha. O que não significa que aqueles pouco afeitos às obras desses cineastas deva deixar de lado O Homem que não Dormia. Navarro fala à contemporaneidade. Assim como o peregrino de seu filme, apresenta-se como um elemento perturbador, oferecendo um olhar insólito sobre o mundo que nos cerca.

Dir. Edgard Navarro, Brasil, 2011. Bertrand Duarte, Evelin Buchegger, Fabio Vidal, Mariana Freire, Luiz Paulino dos Santos. 98 min. 


As Idades do Amor (Manuale d'Am3re)

Dividido em três partes (‘Juventude’, ‘Maturidade’ e ‘Além’) e como o título em português já entrega, o filme desenvolve histórias enfocando o amor em diversas fases da vida. É a estreia “bonita” da semana, com enredo edificante, paisagens deslumbrantes fotografadas como se o mundo fosse um enorme cenário de comercial de margarina e personagens se deixando levar pelas emoções para (re)descobrir a vida e o amor. Tendo isso em vista, oferecemos gratuitamente uma dica e uma sugestão. Dica: a vida não vai melhorar. Sugestão: ignore o filme e vá transar.

Dir. Giovanni Veronesi, Itália, 2011. Robert De Niro, Monica Bellucci, Riccardo Scamarcio, Michele Placido, Laura Chiatti, Donatella Finocchiaro, Valeria Solarino. 125 min. 


Sete Dias com Marilyn

Por falar em sexo, faz sentido trazer Marilyn Monroe à conversa. A moça incendiou (e ainda incendeia) a imaginação de muitos marmanjos pelo mundo afora. Assim, faz sentido capitalizar em cima do mito, reencarnando-o em Michelle Williams (indicada ao Oscar pelo trabalho) e encenando o romance dela, Marilyn, com Colin Clark, jovem assistente de Laurence Olivier, durante o curto período em que ela esteve em Londres para filmar O Príncipe Encantado.


Dir. Simon Curtis, EUA, Reino Unido, 2011. Michelle Williams, Eddie Redmayne, Julia Ormond, Kenneth Branagh, Pip Torrens. 99 min. 


Sonhos em Movimento (Tanzträume)

 

Em 2008, poucos meses antes de falecer, Pina Bausch decidiu fazer uma nova montagem de seu espetáculo Kontkhof. Em vez de usar os bailarinos de sua companhia, optou por recrutar jovens com idades variando entre os 14 e os 18 anos e sem qualquer experiência de palco. Sonhos em Movimento é um documentário sobre essa experiência. Anterior ao extraordinário Pina, de Wim Wenders, não deixa de ser, também, uma bela homenagem à coreógrafa alemã.

Dir. Rainer Hoffmann, Anne Linsel, Alemanha, 2010. Pina Bausch, Bénédicte Billet, Josephine Ann Endicott. 92 min


Slovenian Girl (Slovenka) 

 
Alexandra, uma estudante de Letras ambiciosa, abandonada pela mãe e criada pelo pai, um operário beberrão, resolve trabalhar como prostituta. Tudo corre bem ou, melhor dizendo, conforme ela previra, até se meter em uma enrascada com a morte acidental de um figurão, ocorrida em uma de suas, digamos, jornadas profissionais.

Dir. Damjan Kozole, Eslovênia, Sérvia, Alemanha, Croácia, 2009. Nina Ivanisin, Peter Musevski, Primoz Pirnat, Marusa Kink. 90 min.  

Escrito por André de Leones
 

Comentários dos leitores

blog comments powered by Disqus
 

© 2011 - 2016 Time Out Group Ltd. All rights reserved. All material on this site is © Time Out.