Time Out São Paulo

As estreias da semana - 7/12/12

Aproveite as estreias de cinema da semana com as nossas sinopses comentadas  


Muitos atores decidem, a certa altura de suas carreiras, arriscar-se atrás das câmeras, mas são bem poucos os que, de fato, demonstram ter o que dizer. A canadense Sarah Polley é uma dessas exceções. Depois de construir uma carreira sólida, atuando tanto em produções indies como O Doce Amanhã quanto em arrasa-quarteirões como Madrugada dos Mortos, ela estreou na direção de longas em 2006 com o lancinante Longe Dela, sobre um casamento devastado pelo Alzheimer. Agora, o público poderá conferir seu passo seguinte, Entre o Amor e a Paixão, que destacamos entre as estreias da semana.

Quem não se interessar pelo intimismo de Polley, poderá optar por A Sombra do Inimigo, thriller que repisa todos os clichês possíveis de filmes envolvendo policiais e assassinos em série, ou pelo terror de A Última Casa da Rua, que, na pior das hipóteses, traz uma das melhores atrizes jovens em atividade – Jennifer Lawrence.

Confira abaixo alguns comentários sobre essas e outras estreias.

Entre o Amor e a Paixão | A Última Casa Da Rua | Na Terra de Amor e Ódio | À Sombra do Inimigo | Bullying | A Escolha Perfeita | Infância Clandestina | Quatro Amigas e um Casamento | Sudoeste
 

Entre o Amor o A Paixão (Take this Waltz) 




É uma pena que o péssimo título brasileiro ignore o original, homônimo de uma bela canção de Leonard Cohen (presente na trilha, claro) que, por sua vez, inspirou-se num poema de Federico Garcia Lorca. Nada disso importa muito para entender o filme, é claro, exceto pelo significado do título em si, pois a questão é se a protagonista Margot aceitará ou não a “valsa” proposta por seu vizinho, Daniel.

Ela tem uma vida tranquila, talvez tranquila demais, com o marido, Lou. Conhece Daniel e eles iniciam uma relação amorosa ou, antes, romântica que nunca chega às vias de fato, mas que se faz mais e mais presente e, ao que parece, incontornável. Assim, Margot terá de se decidir: ou fica com o marido, ou o abandona e embarca num relacionamento tão intenso quanto incerto com Daniel.

Polley não precisa de mais do que uns poucos planos, logo no começo, para sugerir a inércia de uma relação: Margot coloca algo para assar no forno e se abaixa junto a ele, como se não tivesse lugar para ir; ao fundo, desfocada, a figura de um homem se aproxima de uma janela e parece olhar para fora. Não é qualquer cineasta que consegue contextualizar visualmente uma situação e, sobretudo, um estado de espírito com essa sutileza. O filme inteiro tem momentos assim.

É como se a cineasta se aproximasse o bastante (nunca excessivamente, e tampouco se distanciasse demais) de cada personagem para que os compreendamos, um pouco que seja, e, acima de tudo, nos importemos com cada um deles.

Em relação ao dilema enfrentado por Margot, por exemplo, seria terrível se ela fizesse determinada escolha, mas seria terrível, também, se não a fizesse. Logo, coisa que talvez seja a mais bela em tudo isso, parece muito claro que, para a diretora e roteirista, o mais importante é permanecer em movimento. Ela e sua personagem sabem que, não parando, sempre correrão o “risco” de esbarrar no outro. Valsar é o que há.

Dir. Sarah Polley, Canadá, Espanha, Japão, 2011. Michelle Williams, Seth Rogen, Luke Kirby, Sarah Silverman, Jennifer Podemski, Vanessa Coelho. 116 min.

A Última Casa da Rua (House at the End of the Street) 




Jennifer Lawrence deixou todo mundo embasbacado com sua atuação (indicada ao Oscar) em Inverno da Alma e, depois, deu vida ao arrasa-quarteirão Jogos Vorazes. Este novo filme protagonizado por ela é um conto de terror rotineiro que talvez ofereça quatro ou cinco bons sustos. Na casa do título, uma garota matou os próprios pais. O irmão dela, único sobrevivente da tragédia, ainda vive por lá. Lawrence se muda para a vizinhança, fica amiga do rapaz e, claro, as coisas (re)começam a degringolar.

Dir. Mark Tonderai, EUA, Canadá, 2012. Jennifer Lawrence, Max Thieriot, Elizabeth Shue, Eva Link. 101 min.

Na Terra de Amor e Ódio (In the Land of Blood and Honey)




Por falar em atrizes que passam à direção, eis que Angelina Jolie (depois do documentário A Place in Time) resolveu assumir um longa de ficção cujo roteiro também assina. É sobre um sérvio e uma bósnia muçulmana que se conhecem pouco antes da eclosão da Guerra dos Balcãs. O conflito irrompe, eles estão em lados opostos, mas o amor talvez vença tudo –inclusive o bom cinema.

Dir. Angelina Jolie, EUA, 2011. Zana Marjanovic, Goran Kostic, Rade Serbedzija, Vanessa Glodjo. 127 min.

A Sombra do Inimigo (Alex Cross)




Alex Cross, psicólogo e agente da lei, é protagonista de uma série de best-sellers de James Patterson, lixo literário que resulta, agora, em lixo cinematográfico. Antes, interpretado por Morgan Freeman em Beijos que Matam e Na Teia da Aranha, é verdade que o resultado não foi tão ruim. Mas, agora, o amontoado de clichês chega a ser obsceno. A presença de Matthew Fox como um serial killer dos mais afetados (do personagem Picasso) não ajuda em nada. Barulho, frases pomposas significando nada e mais barulho.

Dir. Rob Cohen, EUA, 2012. Tyler Perry, Matthew Fox, Rachel Nichols, Carmen Ejogo, Giancarlo Esposito, Edward Burns. 101 min.

Bullying (Bully)




Documentário vencedor de prêmios no Festival de Sundance e no Emmy, aborda um dos temas mais castigados por reportagens televisivas ignorantes e 'especialistas' televisivos. Logo, é bom que um cineasta digno de ser chamado assim tenha se debruçado sobre ele. O resultado é um painel tão informativo quanto rico em material humano, dado o cuidado com que Lee Hirsch acompanha e se dispõe a ouvir as pessoas envolvidas.

Dir. Lee Hirsch, EUA, 2012. 98 min.

A Escolha Perfeita (Pitch Perfect)




Algo como 'High School Musical chega à universidade'. Caloura aceita integrar um grupo de cantoras. Há um interesse amoroso. Há intrigas. Há uma grande competição. Não há o apocalipse maia, infelizmente.

Dir. Jason Moore, EUA, 2012. Anna Kendrick, Skylar Astin, Brittany Snow, Bem Platt, Anna Camp. 112 min.

Infância Clandestina (Infancia Clandestina)




Produzido por Luis Puenzo (diretor e vencedor do Oscar de Filme Estrangeiro por A História Oficial), o filme remonta à ditadura argentina. A história, como o título indica, centra-se num garoto obrigado a adotar uma nova identidade juntamente com seus familiares para escapar à repressão militar, em 1979. É o tipo de filme historicamente honesto que nós, brasileiros, nunca conseguimos realizar sobre o nosso período ditatorial. Baseado em fatos reais.

Dir. Benjamín Ávila, Argentina, Espanha, Brasil, 2011. Teo Gutiérrez Romero, Natalia Oreiro, Ernesto Alterio, César Troncoso, Cristina Banegas. 112 min.

Quatro Amigas e um Casamento (Bachelorette)




Três amigas são convidadas para ser damas de honra no casamento de uma amiga gorducha que costumavam ridicularizar nos tempos de escola. Porres, mal-entendidos, acidentes, um vestido de noiva rasgado e coisas do tipo. Há quem ache graça. Seja como for, é um programa inofensivo.

Dir. Leslye Headland, EUA, 2012. Kirsten Dunst, Isla Fischer, Lizzy Caplan, Rebel Wilson. 87 min.

Sudoeste




Numa vila isolada do litoral brasileiro, Clarice atenta para a sua vida inteira no decorrer de um único dia, em flagrante descompasso com as pessoas com quem encontra e que vivem aquele dia como um outro qualquer. A sinopse parece obscura, e é mesmo. O filme tem uma atmosfera contemplativa e etérea, sublinhada pela fotografia em preto-e-branco, similar aos trabalhos de cineastas como Andrei Tarkovski. Não por acaso, recebeu um prêmio que leva o nome do grande diretor russo no Zerkalo International Film Festival 2012.

Dir. Eduardo Nunes, Brasil, 2011. Simone Spoladore, Raquel Bonfante, Julio Adrião, Dira Paes, Mariana Lima, Everaldo Pontes, Victor Navega Motta. 128 min.

Escrito por André de Leones
Compartilhe

Comentários dos leitores

blog comments powered by Disqus

Outras notícias recomendadas

Os filmes da semana – 01/12/2016

Ceia de Natal da Casa Santa Luzia

Rodízio de brigadeiro