Time Out São Paulo

Os filmes da semana - 11/1/13

Aproveite as estreias de cinema da semana com as nossas sinopses comentadas


O destaque da semana é Além das Montanhas, novo exemplar dessa safra de filmes romenos peculiaríssimos e muito premiados pelo mundo afora. Não é um cinema fácil, para entretenimento ligeiro, mas seco e violento como a vida.

Claro, há quem prefira não se deparar com esse tipo de coisa. Para essas pessoas, sugiro algo quase que diametralmente oposto em intenções e resultados: Jack Reacher – O Último Tiro, filme de ação estrelado por um Tom Cruise macho pacas. Claro, ele precisa comer muito sucrilho para se equiparar a um Sterling Hayden, mas está valendo.

Outra sugestão são as quase três horas de autoajuda sci-fi A Viagem, concebida pelos mesmos realizadores da trilogia Matrix. A moral da história (ou a própria história) não interessa a todos, mas o visual talvez compense pelo resto.

Além Das Montanhas | Jack Reacher – O Último Tiro | A Viagem | Barbara | O Dobro ou Nada | Uma Família em Apuros | Sacrifício
 

Além das Montanhas (Dupã Dealuri)


Com seu segundo longa, 4 Meses, 3 Semanas e 2 Dias, Cristian Mungiu já abocanhou a Palma de Ouro em Cannes em 2007. Ele integra uma espécie de 'nova onda” romena que vem dando o que falar de uns anos para cá. Além de Mungiu, há nomes como Cristi Puiu (de A Morte do Senhor Lazarescu) e Corneliu Porumboiu (de Polícia, Adjetivo), que, mais do que prêmios, vêm merecendo a atenção dos cinéfilos antenados com filmes áridos e muito eficientes ao capturar, cada qual a seu modo, a geografia humana de um país que, dentre outras coisas, sofreu sob a ditadura comunista de Nicolae Ceauşescu até 1989.

A paisagem nesses filmes é quase sempre desoladora, o que também pode ser visto em Além das Montanhas. Voichita e Alina, as protagonistas, cresceram juntas num orfanato e eram namoradas. A primeira tornou-se freira e vive num convento; a outra esteve na Alemanha trabalhando como garçonete, planeja voltar para lá e quer levar consigo a amiga. Aceita como hóspede no convento, Alina não demora ao sentir a atmosfera opressiva do lugar, controlado por um padre e uma madre a quem chamam de “pai” e “mãe”. Voichita mantém-se fiel aos seus votos e frustra as investidas de Alina, que responderá a isso de forma ruidosa.

Mungiu é feliz ao impedir que o filme seja contaminado pela frieza e, depois, pela loucura do ambiente. Valendo-se de longos planos que, muitas vezes, anulam o contracampo (como se o próximo fosse o que menos importasse naquele lugar) e prescindindo de qualquer música na trilha sonora (exceto nos créditos finais), ele investe com força numa perturbação causada menos pela dor amorosa de Alina, que, em si, nada tem de mal, e mais pela reação do padre e das freiras à sua presença no convento. O que está em questão, portanto, é a histeria da igreja, qualquer que seja, que confunde uma dor de cotovelo com uma possessão demoníaca e age no sentido de fazer o que eles entendem por 'bem' da forma mais perversa e criminosa possível. Nada de muito diferente, portanto, do totalitarismo que desgraçou a Romênia por tantas décadas.

Dir. Cristian Mungiu. Romênia, França, Bélgica, 2012. Cosmina Stratan, Cristina Flutur, Valeriu Andriuta, Dana Tapalaga. 155 min.

Jack Reacher – O Último Tiro (Jack Reacher)


Prestes a completar cinquenta anos, Tom Cruise vem investindo pesado em filmes de ação. Em 2012, tivemos o quarto longa da série Missão: Impossível (o quinto foi anunciado para 2015). E, agora, ataca com esta adaptação de um romance de Lee Child na qual somos apresentados ao personagem-título, um ex-policial do exército dos EUA.

Reacher se envolve na investigação de um caso onde cinco pessoas foram aleatoriamente assassinadas por um atirador de elite. Nada é o que parece e tudo se resolve na base da porrada. E dos tiros, muitos tiros. O filme, portanto, é um bom programa para adolescentes do sexo masculino que têm entre treze e sessenta anos. Os mais velhos talvez apreciem melhor, uma vez que há um tom, digamos, analógico na coisa. Rola briga de bar (quer coisa mais anos setenta que briga de bar?), por exemplo, e o protagonista lembra os heróis de antigamente, direto e seco, sem as crises de consciência que afetam gente como Jack Bauer e Jason Bourne. Um filme de ação à moda antiga, nesse sentido. Traz, ainda, o cineasta alemão Werner Herzog em participação especial, embora seu personagem (um vilão dos mais obscuros que merecia um filme só dele) me pareça mal aproveitado pelo roteirista e diretor McQuarrie.

Dir. Christopher McQuarrie, EUA, 2012. Tom Cruise, Rosamund Pike, Richard Jenkins, David Oyelowo, Robert Duvall, Werner Herzog. 130 min.

A Viagem (Cloud Atlas)


Os irmãos Andy e Larry (hoje Lana, após a cirurgia de mudança de sexo) Wachowski, criadores da trilogia Matrix, uniram-se ao alemão Tom Tykwer (de Corra, Lola, Corra) para assinar este épico new age que explora diversas histórias e personagens espalhados pelo passado, presente e futuro da humanidade. A ideia, expressa desde o cartaz de divulgação do longa, é de que 'todos estamos conectados'. Então, caso o amigo leitor se amarre nessa conversa fiada meio esotérica, meio autoajuda, sirva-se; caso contrário, abra os olhos, tape os ouvidos e se deixe levar pelas imagens. O filme é daqueles que enchem os olhos (e esvaziam o cérebro).

Dir. Andy Wachowski, Lana Wachowski, Tom Tykwer, EUA, Alemanha, Honk Kong, Singapura, 2012. Tom Hanks, Halle Berry, Jim Broadbent, Hugo Weaving, Jim Sturges, Hugh Grant, Susan Sarandon. 172 min.

Barbara


Nos anos de 1980, na Alemanha Oriental, uma médica é transferida por motivos políticos para uma cidade interiorana. O fato é que ela tentou obter um visto de saída do país, sem sucesso. Embora seja vigiada o tempo todo pelo governo, ela planeja fugir para a Alemanha Ocidental com a ajuda de seu amante. O cinema alemão tem se debruçado com interesse sobre os anos obscuros do domínio comunista. Há poucos anos, pudemos conferir o excelente A Vida dos Outros. Com Barbara, Christian Petzold ganhou o prêmio de Melhor Direção no Festival de Berlim 2012.

Dir. Christian Petzold, Alemanha, 2012. Nina Hoss, Ronald Zeherfeld, Rainer Block, Jasna Fritzi Bauer. 105 min.

O Dobro ou Nada (Lay the Favorite)


Stephen Frears dirigiu grandes filmes nas décadas de 1980 e 90, como Minha Adorável Lavanderia, The Hit, Ligações Perigosas e Os Imorais. Em anos mais recentes, não obstante o correto A Rainha, seu cinema tornou-se esquálido, para não dizer banal. O Dobro ou Nada é uma comédia sobre um grupo de trapaceiros tentando fraudar apostas esportivas na maior cidade de brinquedo do mundo, Las Vegas. Melhor apostar em outra coisa.

Dir. Stephen Frears, EUA, Reino Unido, 2012. Rebecca Hall, Bruce Willis, Catherine Zeta-Jones, Vince Vaughn, Joshua Jackson. 94 min.

Uma Família em Apuros (Parental Guidance)


Em um futuro ameaçadoramente próximo, o locutor da Sessão da Tarde anunciará este filme sobre um casal formado por Billy Crystal (botox) e Bette Midler (mais botox) que se vê obrigado a tomar conta dos netos dizendo que, no processo, “eles aprontam muitas confusões”. Claro que lições de vida valiosas são aprendidas por todos. Aliás, o maior problema do filme reside justamente nisso. Humor rasteiro, moralismo barato. E Marisa Tomei não aparece pelada.

Dir. Andy Flickman, EUA, 2012. Billy Crystal, Bette Midler, Marisa Tomei, Tom Everett Scott. 104 min.

Sacrifício (Zhao shi gu er)


Há quase vinte anos, o cineasta Chen Kaige obteve enorme sucesso com Adeus, Minha Concubina, agraciado com a Palma de Ouro em Cannes e indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. Desde então, embora tenha continuado a filmar com regularidade, ele não voltou a sequer esbarrar naquela consagração. E não será com Sacrifício, estreando no Brasil com três anos de atraso, que Kaige voltará à berlinda. O filme se passa na China Imperial. Um clã inteiro é massacrado, mas a mulher do chefe dá à luz um herdeiro que é salvo por um médico e criado como plebeu.

Dir. Chen Kaige, China, 2010. You Ge, Xueqi Wang, Xiaoming Huang, Fengyi Zhang, Bingbing Fan. 132 min.

Escrito por André de Leones
Compartilhe

Comentários dos leitores

blog comments powered by Disqus

Outras notícias recomendadas

Os filmes da semana – 01/12/2016

Ceia de Natal da Casa Santa Luzia

Rodízio de brigadeiro