Time Out São Paulo

Entrevista: Thomas Vinterberg

O diretor dinamarquês, criador do movimento Dogma, fala sobre seu filme 'A Caça' 


O cineasta dinamarquês Thomas Vinterberg, 43, fez estardalhaço com Festa de Família, de 1998, um provocativo drama familiar nascido do movimento Dogma (que defendia a volta do cinema à sua forma de produção mais básica), concebido por ele e pelo diretor Lars Von Trier.

Desde então, sua trajetória instável incluiu Dogma do Amor (2003), que talvez possa ser categorizado como romance de ficção científica, mas seu filme mais recente, A Caça – um drama intenso que rendeu a Mads Mikkelsen o prêmio de melhor ator em Cannes por seu retrato de um professor de pré-escola acusado injustamente de pedofilia, leia mais em nossa resenha – é visto como uma grande volta por cima. 

Essa é uma história sobre abuso de crianças, como você decidiu contá-la desta forma?
Começou quando um psicólogo me deu um caso para ler. A ideia era evitar o caminho documental, mostrando investigações e processos judiciais, e, em vez disso, seguir uma jornada emocional ao lado de um homem. Tratava-se de chegar aos mínimos detalhes que não aparecem nas reportagens oficiais. Então, virou uma espécie de história de (o autor de literatura fantástica) Hans Christian Andersen, sobre a perda da inocência, a entrada do mal que vem de fora.

Nunca houve qualquer dúvida sobre o protagonista, vivido por Mads Mikkelsen?
Não. Eu queria que o público se sentisse perto desse cara, e não há como isso acontecer se houver qualquer possibilidade de ele ter tocado em uma criança. 

Ao mesmo tempo, você obviamente não queria demonizar a menininha que o acusa injustamente?
Sim, mas não sei se consegui ter sucesso nisso. Tem gente que a odeia, o que acho muito perturbador. Ela é muito apegada a esse professor, que lhe dá atenção, mas, quando ele a rejeita, ela o pune com uma mentira inocente. Claro que abusos de verdade acontecem, mas há situações em que o fato de pais e autoridades fazerem as mesmas perguntas repetidamente planta uma semente na cabeça da criança e cria uma memória traumática. Isso é uma violação da criança.

Seu foco principal é no acusado. Há quem considere a reação dele muito passiva?
Bem, houve palmas em Cannes quando ele finalmente reage! Acho que ele é um ser humano muito escandinavo, meio castrado e humilde que realmente testa a bondade de quem o cerca. Ele não é passivo, é civilizado, e está fazendo a coisa certa. Acho que simplesmente não esperamos isso em um filme.

Mads Mikkelsen está impressionante no papel. O personagem foi escrito para ele?
Não, estava pensando em uma espécie Robert De Niro mais jovem. No roteiro, o personagem era um herói valentão da classe trabalhadora. Aí Mads subiu a bordo. Eis um homem que é garanhão, talvez fosse interessante ir contra isso. Então, retrabalhamos [o papel] e ele se transformou em um professor civilizado que de repente precisa sair de si e começar a enfrentar as pessoas.

O tema do abuso liga A Caça a Festa de Família. Como você vê esse filme de 1998 agora?
Bem, foi um grande sucesso, mas a coisa toda do Dogma era algo que eu não podia levar adiante. Precisava começar tudo de novo e me redefinir, o que me deixou muito vulnerável e criou muitas experiências doloridas, mas também alguns trabalhos de que tenho muito orgulho. Dogma do Amor é meu filme mais corajoso. Acho que a poeira baixou agora, mas gosto de correr riscos. Pode ser que eu ainda me meta em confusão.

Escrito por Trevor Johnston
Compartilhe

Comentários dos leitores

blog comments powered by Disqus

Outras notícias recomendadas

Os filmes da semana – 01/12/2016

Ceia de Natal da Casa Santa Luzia

Rodízio de brigadeiro