Time Out São Paulo

Peter Weir: entrevista

O cineasta australiano de Caminho da Liberdade fala com a Time Out.

Um grupo de pessoas vaga pelo deserto de Gobi. O sol é inclemente; o horizonte, estendendo-se em todas as direções, parece infinito. Ondas de calor erguem-se em padrões sinuosos, borrando a perspectiva. Então, vêm as miragens: trata-se de um oásis na distância ou apenas de uma ilusão?

 

Esta sequência impressionante é parte de "Caminho da Liberdade", do diretor australiano Peter Weir. Ambientado na Segunda Guerra Mundial, o filme retrata a trajetória de inabaláveis fugitivos de um gulag siberiano, em uma adaptação do livro "A Longa Caminhada", de Slavomir Rawicz. Apesar de o filme representar vastidões – planícies áridas, florestas labirínticas, montanhas nevadas –, a longa peregrinação dos fugitivos através das vastas dunas mongóis foi amplamente comparada às aventuras de Lawrence da Arábia. Em seu escritório, Weir, 66 anos, rapidamente rebate.

 

"Acho que essa comparação é só por causa do deserto", diz, sorrindo. "Para mim, a única influência fílmica foi 'Dersu Uzala', de Akira Kurosawa, que na verdade foi filmado na Sibéria. A forma como muito pouco acontece em termos de incidente ou confronto naquele filme me arrebatou. O cinema é particularmente adequado para perturbar nosso equilíbrio, estimulando o espectador a ver o mundo de outra forma. Como cineasta, procuro os temas que têm algum tipo de conexão invisível com minha própria sensibilidade. 'Caminho da Liberdade' atingiu-me naquela parte mais recôndita e pessoal."


Trilhando seu caminho

Weir vem construindo sua trajetória há anos. Um dos destaques da nova onda australiana, junto a talentos como Fred Schepisi ("Chant of Jimmie Blacksmith") e George Miller ("Mad Max"), ele construiu sua fama com filmes como "Picnic na Montanha Misteriosa" (1975) e "A Última Onda" (1977). "Tive sorte de estar lá", diz ele, sobre o influente movimento cinematográfico. "Lugar certo, hora certa." Espetáculos históricos ("Gallipoli", de 1981) e filmes hollywoodianos ("A Testemunha", 1985) vieram em seguida. Mesmo os filmes de maior bilheteria, como o drama "Sociedade dos Poetas Mortos" (1989), estrelado por Robin Williams, apresenta sequências desconcertantes – como o assustador, quase pagão, suicídio de Robert Sean Leonard –, que só poderiam vir das mãos de Weir.

 

Esteticamente impetuoso e intimista no enredo, "Caminho da Liberdade" enquadra-se perfeitamente na eclética obra do diretor. O elenco é cosmopolita: um americano (Ed Harris), um britânico (Jim Sturgess) e estrelas da nova onda romena (Alexandru Potocean e Dragos Bucur). O drama, como acontece em filmes como "A Costa do Mosquito" (1986) e "Mestre dos Mares" (2003), emerge principalmente da interação dos fugitivos com a paisagem do que uns com os outros. A natureza é o antagonista silencioso ("nossa prisão", diz uma das personagens); em contraste com as tendências atuais do cinema digital, Weir efetivamente levou os atores a locações reais e inclementes. "Eu fui para os lugares reais, e fiz com que representassem outros países", diz. "A floresta búlgara tornou-se a floresta siberiana. Marrocos representou Gobi. Acho esse método muito inspirador, apesar de que você pode cair em uma perigosa armadilha. Como ir até esses lugares é uma aventura, você pode facilmente pensar que vai se deparar com o filme. Às vezes você olha para seus diários e fica chocado. Felizmente, neste caso foi extremamente evocativo."

 

Existir

Sturgess, 32 anos, dirige o grupo representando o refugiado polonês Janusz, que quer desesperadamente reencontrar sua mulher. Em uma entrevista concedida de Los Angeles por telefone, o ator manifesta profunda admiração pelos métodos do diretor: "Com Peter, tudo é tão detalhado – deve ser correto e sincero", diz. "Ele realmente procurou muito por aquelas locações. O mesmo com as línguas: muitos filmes têm apenas pessoas falando inglês com sotaque. Mas ele tomou a decisão de ter o inglês apenas como o idioma coletivo. Quando uma personagem conversava com alguém de seu próprio país, falava na língua nativa. Novamente, é Peter tentando encontrar a verdade. Eu me senti muito cuidado. Quando você atua num ambiente como esse, tudo o que você precisa fazer é existir."

 

Existir, ao menos na tela, não é tarefa fácil. Conforme os fugitivos atravessam os terrenos de punição, sofrem fisicamente (pés cheios de bolhas, sangrando) e emocionalmente (uma personagem é tão impactada pelas temperaturas abaixo de zero, que se perde em alucinações). Seu objetivo é um só: sobreviver. O mesmo se aplica aos cineastas. Pergunte a Weir como ele consegue mantém sua perspectiva única no cinema de hoje, e ele responderá em tom condescendente, mas ainda assim otimista. "Está cada vez mais difícil, certamente", diz. "O mercado agora é principalmente para crianças, ou os filmes são infantis. Eu poderia sair a qualquer momento, se quisesse. Mas, de alguma forma, cineastas nunca se aposentam. Eu acho que você tem apenas que se adaptar. E se adaptar, no meu caso, significa não fazer filmes que eu não esteja a fim de fazer. Eu simplesmente não consigo."

Escrito por Time Out São Paulo editors
Compartilhe

Comentários dos leitores

blog comments powered by Disqus

Outras notícias recomendadas

Dia do Sorvete

Os filmes da semana – 21/09/2017

mãe! – crítica do filme