Time Out São Paulo

Emma Stone - Entrevista

Mesmo com jeitinho de menina, atriz conta que gosta de interpretar papéis de mulheres fortes e quer mostrar que não é apenas a namorada do Homem Aranha

Emma Stone é uma das mulheres mais engraçadas das comédias, e provavelmente uma das mais bonitas. Seus cabelos ruivos, olhos verdes, seu sotaque e aquele “que” de garota comum têm feito os homens (e mulheres) a desejarem desde 2007, quando ela estourou com o filme Superbad.

O número de fãs só aumentou quando ela fez outros papeis hilários e acessíveis: Olive, a garota que incorpora sua falsa imagem de vadia em A Mentira; Hannah, a estudante de direito que se apaixona por um mulherengo em Amor a Toda Prova; Wichita, que se junta a outros refugiados na comédia apocalíptica Zombieland, e muitos outros.

Emma, de 25 anos, obviamente não tem medo de altura. Cenas do filme O Espetacular Homem-Aranha 2: A Ameaça de Electro mostram sua personagem, Gwen Stacy, voando pelos ares e passando de telhado em telhado com seu namorado Andrew Garfield, que interpreta seu par nas telas, Peter Parker (também conhecido como Homem Aranha).

O novo filme acompanha a vida dupla de Peter e as dificuldades que ele encontra por ser um adolescente normal durante o dia e um herói com teias durante a noite. Seus dois mundos se misturam quando ele enfrenta os vilões Electro (Jamie Foxx) e o Duende Verde (Dane DeHaan).

Emma, houve algo diferente ou particular nas filmagens do segundo filme, comparando com o primeiro? 
Conhecer todo mundo melhor, filmar em Nova York e poder explorar a história de um jeito diferente. No primeiro parecia que a gente tinha que definir muitos detalhes, era como “aqui está a nossa versão do Homem Aranha”. Passamos desta fase e agora podemos partir para a próxima etapa da história.

A química entre Gwen e o Peter no segundo filme é tão eletrizante quanto no primeiro. O seu romance com Andrew tem alguma influência nas filmagens?
Na verdade não. Acho que contar a história de Peter e Gwen nas telas é o objetivo do filme, e é nisso que estamos muito focados.

Gwen e Peter eram adolescentes quando se conheceram. Você largou a escola para investir na sua carreira, ficou mais difícil representar um amor de colegial? 
Não, pois eu tive essa experiência. Eu vivi aquele primeiro amor tumultuado, como todos. Então eu definitivamente sei como é.

O fato de você não ter frequentado o colegial afetou sua personagem de alguma outra forma?
Gwen é uma cientista, mas eu nunca tive aula de ciências. Tivemos laboratórios de ciências para nosssa preparação e eu amei. Nunca tinha percebido como eu gostava de biologia.

Você fez alguma outra pesquisa para o papel?
Eu só li os quadrinhos e decidi quais aspectos eu queria dar para a Gwen. Os roteiristas me ajudaram muito com isso – eles fizeram quase todo o trabalho pesado. Eu só tive que chegar e atuar.

Os fãs dos quadrinhos veem Gwen como uma dama em perigo. Você concorda? 
A primeira vez que eu li sua história, eu a enxerguei assim. Mas no filme ela não é. Ela participa bastante da jornada do Homem Aranha e sabe o que quer da vida e o que quer fazer pelas pessoas. Eu acho que não é muito justo olhar para o destino dela e concluir que ela é uma dama em perigo. Ela é muito mais do que isso.

Você sempre interpreta personagens fortes.
É verdade, eu gosto das personagens que defendem seus direitos que são definidas pelas suas próprias ações e não por homens. Em Histórias Cruzadas, Skeeter é assim. Olive de A Mentira também.

Você tem alguma personagem favorita?
Eu amei fazer o papel de um fantasma em Minhas Adoráveis Ex-Namoradas. Foi minha personagem favorita.

A Gwen se envolve mais na violência da vida de Peter no segundo filme?
Sim, ela entra um pouco mais nisso. Muito foi feito pela minha dublê, Jen Caputo, ela é ótima. Tiveram coisas que eu pude fazer também, muitas delas eram apenas... você sabe, eu atuando.

Você fica nervosa?
Fico, mas mais na vida do que no trabalho. Atuar sempre foi ótimo – foi um presenta para a minha vida, no sentido de eu ser uma pessoa ansiosa, foi ótimo para o mim.

Quanto tempo eu ainda tenho?
[Assessora: “Um minuto”]
Ahh, vem com tudo! Me pergunta as coisas mais pesadas agora. Qual vai ser?

Ok, qual foi a parte da filmagem que mais te deu medo?
Ah – não posso te contar isso! [Ela ri]


Escrito por Katy Stankevitz
Compartilhe

Comentários dos leitores

blog comments powered by Disqus

Outras notícias recomendadas

Os filmes da semana – 01/12/2016

Ceia de Natal da Casa Santa Luzia

Rodízio de brigadeiro