Snoopy & Charlie Brown - Peanuts, o Filme: crítica do filme

Turma do Charlie Brown para as novas gerações 

Divulgação

Desde que a Pixar passou a pensar também nos adultos em filmes animados voltadas ao público infantil com Toy Story, em 1995, outros estúdios – como a DreamWorks com Shrek, a Universal com Meu Malvado Favorito e até a Disney, que viria a incorporar a Pixar em 2006 – passaram a aplicar essa fórmula de sucesso. Mas que fique um aviso aos marmanjos nostálgicos: Snoopy & Charlie Brown - Peanuts, o Filme não se encaixa nessa categoria.

O filme faz um resumão das desventuras de Charlie Brown (com nova dublagem, não aquela que marcou época na Globo, no final dos anos 1980, quando Selton Mello fazia a voz do protagonista), apresentando toda sua turma em pequenas participações. Lino, por exemplo, é quase ignorado. O único que ganha mais destaque além do garotinho cabeçudo é o seu criativo cão, Snoppy.

Diferente de outros diversos filmes da turminha criada por Charles Schulz na década de 1950, Snoopy & Charlie Brown - Peanuts, o Filme não tem história. É uma colcha de retalhos de gags famosas como a consulta de Lucy, as partidas de beisebol, as cantadas de Patty Pimentinha, Schroeder tocando seu piano, entre outras, costuradas em torno da paixão de Charlie por uma aluna recém chegada a sua escola, a famosa “garotinha ruiva”. Além das viagens da imaginação fértil de Snoopy, que nada têm a ver com a trama.

É claro que Snoopy & Charlie Brown - Peanuts, o Filme ainda tem o charme de décadas passadas, principalmente pelo inconfundível tema jazzístico de Vince Anthony Guaraldi, mas é uma animação feita para as novas gerações que ainda não conhecem o universo de Schultz. Tanto que Charlie Brown, mesmo com seus incontáveis fracassos, ganha um final feliz. Deve ser bem difícil explicar às crianças de hoje que o sucesso não é tudo na vida.

Escrito por Rafael Argemon
 

Comentários dos leitores

blog comments powered by Disqus
 

© 2011 - 2016 Time Out Group Ltd. All rights reserved. All material on this site is © Time Out.