Time Out São Paulo

A Bruxa - crítica do filme

Filme prova que o gênero terror vem ganhando cada vez mais força 

Atualmente, nenhum gênero tem nos brindado com filmes tão interessantes e criativos como o terror. Vide títulos como Invocação do Mal (2013), Sob a Pele (2013), The Babadook (2014), A Corrente do Mal (2014) e Boa Noite, Mamãe (2014). A Bruxa, longa de estreia de Roger Eggers, não foge dessa tendência. Em comum com seus pares, o filme aposta no clima de tensão e sugestão em detrimento dos sustos ou gore (melecas em geral ou sangue em profusão), mas vai além ao se esmerar na recriação quase obsessiva da época em que se passa: a Nova Inglaterra (EUA) do século XVII. Tanto que tem seus diálogos falados em inglês arcaico.

Por diferenças em questões religiosas, o puritano William (Ralph Ineson) é banido de sua comunidade e leva sua família para viver em uma clareira bem próxima a uma floresta. Lá, ele, sua esposa Katherine (Kate Dickie) e seus cinco filhos precisam sobreviver sozinhos em um ambiente selvagem e de atmosfera maligna. Mas o mal começa logo a se manifestar quando a adolescente Thomasin (Anya Taylor-Joy) perde, de forma misteriosa, o bebê da família. Ela passa a sofrer acusações de seus próprios pais, que passam a suspeitar que ela seja uma bruxa. Ainda mais quando os gêmeos Mercy (Ellie Grainger) e Jonas (Lucas Dawson) passam a sofrer de uma estranha enfermidade.

Com seu suspense psicológico/histórico de precisão cirúrgica, A Bruxa confirma esse novo fôlego que o gênero ganhou nos últimos anos. Principalmente com as produções independentes, que se desvencilharam das fórmulas desgastadas dos grandes estúdios para voltar a colocar o terror no seu devido lugar, ou seja, o ambiente ideal para a liberdade criativa no cinema.

Escrito por Rafael Argemon
Compartilhe

Comentários dos leitores

blog comments powered by Disqus

Outras notícias recomendadas

Carnaval de rua em SP

20 shows gratuitos no aniversário de SP

Novidades no Jamie´s Italian