Time Out São Paulo

X-Men: Apocalipse - crítica do filme

Mesmo com problemas, título ainda é um bom filme pipoca 

No meio do fogo cruzado entre os dois grupos de super-heróis – Vingadores e Liga da Justiça – que se digladiam nas bilheterias e nos corações de fãs da Marvel e da DC, os X-Men conseguiram uma certa independência dentro dessa guerra. Mesmo quando resolveu dar um reboot na franquia, mudando muitas coisas em relação aos quadrinhos, o diretor Bryan Singer continua fiel à essência do grupo criado por Stan Lee: a inadequação. Adolescentes ou adultos, os mutantes, por mais que tenham poderes incríveis, nunca se sentem parte da sociedade, trazendo uma vulnerabilidade bem interessante a esse universo de seres superpoderosos.

No entanto, a fórmula começa a se desgastar. Se por um lado as (muitas!) cenas de luta continuam empolgando, o tom choroso e melodramático (que sempre esteve presente nas HQs, diga-se) soa repetitivo após seis filmes. Além do fato de que ninguém envelhece! O Charles Xavier de James McAvoy e o Magneto de Michael Fassbender não mostram qualquer marca de tempo, mesmo com a passagem de décadas dessa nova trilogia, que começa nos anos 1960 e neste X-Men: Apocalipse se situe nos anos 1980.

A história aqui é bem simples e direta, como sempre foi na realidade novelesca dos X-Men. E isso é uma boa notícia. A má é que nem tudo funciona a contento. Longo demais, o filme possui algumas sequências dispensáveis. Como uma protagonizada por Mercúrio que é quase uma cópia do anterior, e outra que serve apenas para mostrar o queridinho do público: Wolverine. Além disso, Sophie Turner não convence como a nova Jean Grey. Com o visual quase igual ao de Game of Thrones, é difícil não associá-la a Sansa Stark toda vez que ela aparece na telona. Ah, e Jennifer Lawrence também não funciona como uma Mística à la Katniss Everdeen.

X-Men: Apocalipse é um bom filme pipoca, e é isso que se espera dele. Problemas aqui e ali sempre vão existir, mas que não chegam a comprometer o resultado final: uma clássica aventura de super-heróis contra um super-vilão cheia de efeitos especiais e lições de moral.

Escrito por Rafael Argemon
Compartilhe

Comentários dos leitores

blog comments powered by Disqus

Outras notícias recomendadas

Carnaval de rua em SP

20 shows gratuitos no aniversário de SP

Novidades no Jamie´s Italian