Time Out São Paulo

Dois Caras Legais: crítica do filme

Entretenimento puro que não agride seu cérebro.

Roteirista prodígio que marcou as décadas de 1980 e 90 com suas comédias de ação (os quatro títulos da série Máquina Mortífera, O Último Boy Scout e O Último Grande Herói), com Dois Caras Legais, Shane Black volta a seu metiê 11 anos depois do excelente Beijos e Tiros. Diretor bissexto, ele também foi responsável por Homem de Ferro 3, uma exceção em seu estilo pessoal, mas que mesmo assim acabou salvando o personagem eternizado por seu amigo Robert Downey Jr. do fiasco do segundo filme da trilogia do herói da Marvel.

No entanto, o retorno ao ambiente mais familiar dos policiais com tiradas espirituosas e diálogos espertos não garantiu a Dois Caras Legais o mesmo nível de Beijos e Tiros. Um dos motivos é a dupla de protagonistas. Enquanto o filme de 2005 contava com os afiados e versáteis Downey Jr. e Val Kilmer, Dois Caras Legais é protagonizado por Russell Crowe e Ryan Gosling. O primeiro, sempre muito competente, dá conta do recado com facilidade, enquanto a falta de tino cômico de Gosling quase põe tudo a perder. Seus gritinhos estridentes e reações exageradas são realmente irritantes.

Fora isso, Dois Caras legais segue a cartilha de Black com apenas uma novidade: a ambientação nos anos 1970. O que garante – além de um figurino extra cool – uma trilha sonora que traz, entre outros, Kool & The Gang, Earth, Wind & Fire, Al Green, Bee Gees, Kiss, The Band e The Temptations. Precisa de mais alguma coisa?

Resumindo, mesmo sem o mesmo brilho de Beijos e Tiros, Dois Caras Legais mantém o padrão Shane Black de qualidade, ou seja, um filme divertido e cheio de ótimas sacadas. É entretenimento puro, mas que não agride seu cérebro.

Escrito por Rafael Argemon
Compartilhe

Comentários dos leitores

blog comments powered by Disqus

Outras notícias recomendadas

Dia do Sorvete

Os filmes da semana – 21/09/2017

mãe! – crítica do filme