Time Out São Paulo

Manchester à Beira-Mar: crítica do filme

Filme emociona porque fala de pessoas como nós.

Mesmo tendo um currículo mais extenso como dramaturgo, Kenneth Lonergan entende muito bem a diferença entre uma peça teatral e um filme. Muito preciso e econômico, o roteiro de Manchester à Beira-Mar é um excelente exemplo de que no cinema as sensações valem mais que as palavras. Não que essas devam ser ignoradas, ao contrário, um bom roteiro as valoriza. E é exatamente isso que o cineasta faz aqui.

Sem cair na pieguice em nenhum momento, Lonergan nos mostra tragédias familiares de cortar o coração sem deixar o humor de lado. É claro que Manchester à Beira-Mar está (muito!) longe de ser uma comédia, mas o olhar preciso do diretor capta até situações engraçadas em uma história tão triste.

Contido na medida certa, Casey Affleck é a expressão viva dessa trama que mostra pessoas na árdua – e às vezes estranhamente engraçada, por que não? – tarefa de viver. Porém, no caso de Lee Chandler (Affleck), de sobreviver. Zelador de alguns prédios em uma área pobre de Boston, ele é chamado para ir à cidadezinha costeira de Manchester, pois seu irmão, um pescador profissional, sofreu um ataque cardíaco, que acaba mostrando-se fatal. Visivelmente deslocado, Lee acaba tendo de lidar com o fato de que terá de cuidar do sobrinho adolescente Patrick (Lucas Hedges), além de ter de encarar fantasmas de uma tragédia pessoal do passado.

Manchester à Beira-Mar é tocante. E nos toca exatamente porque fala de pessoas. Pessoas como nós, que não possuem superpoderes para superar problemas. Gente que sente culpa, que busca a redenção, que está descobrindo novas sensações, que têm de encarar a vida de frente mesmo quando quer mesmo é sumir do mundo. Com um roteiro soberbo e ótimas atuações, o filme consegue emocionar – nunca apelando ao melodrama – até o mais apático dos seres humanos.

Escrito por Rafael Argemon
Compartilhe

Comentários dos leitores

blog comments powered by Disqus

Outras notícias recomendadas

Os filmes da semana – 17/08/2017

Os filmes da semana – 10/08/2017

Dia dos Pais 2017