Time Out São Paulo

GP do Brasil de Fórmula 1 - Interlagos

Nosso ilustre circuito tem sempre lugar de destaque no calendário da F1

Para os novatos, o Autódromo José Carlos Pace (nome completo de Interlagos) pode parecer um primo pobre e idoso dos novos e lustrosos circuitos da Fórmula 1, como Abu Dhabi e Xangai. Mas é uma das pistas mais veneradas do esporte – o Grande Prêmio do Brasil acontece em um fim de semana aguardado com ansiedade no calendário anual de corridas, graças à fama de festeiro do país. 

Em dias de competição, o ambiente em Interlagos é prova suficiente de que os brasileiros sabem mesmo se divertir. A coisa começa cedo, com as pessoas tomando muita cerveja até o início da corrida, depois de encontrar um bom lugar para sentar. E continua longe da pista, quando, pelo que dizem, a indústria paulistana do sexo vai ao extremo para atender à demanda, apesar dos reforços que chegam de fora da cidade.

Mas o segredo do encanto que Interlagos exerce sobre a comunidade do esporte é algo cada vez mais raro na Fórmula 1: trata-se de um local cheio de história. Muitos dos pilotos mais famosos da modalidade correram e venceram nessa pista, famosa por produzir disputas memoráveis e – graças à sua posição no encerramento do calendário da modalidade –, por coroar novos campeões. É também o mesmo autódromo onde Ayrton Senna venceu em 1991 e 1993, após se aperfeiçoar quando criança na pista de kart que fica atrás do circuito principal.

Preocupações com a segurança fizeram com que muitas das sedes tradicionais do esporte fossem modernizadas e ficassem irreconhecíveis. Por outro lado, os planos do chefe da Fórmula 1, Bernie Ecclestone, de conquistar novos mercados no Oriente Médio e na Ásia levaram à construção de uma série de novas pistas – projetadas por seu arquiteto favorito, o alemão Hermann Tilke – que são repudiadas pelos fãs e comentaristas como produtos estéreis criados para as necessidades da televisão. Em contraste, Interlagos é cercado pela imensidão de São Paulo e não sofreu nenhuma reforma, o que ajudou a preservar o seu mistério.

Mas seus dias como pista ‘vintage’ estão contados: em outubro, o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, assinou um contrato com Ecclestone que assegura a continuidade da Fórmula 1 em São Paulo até 2020, desde que o autódromo seja atualizado de acordo com os padrões internacionais. Como parte do acordo, Haddad se comprometeu a concluir as reformas até o Grande Prêmio de 2015.

Por enquanto, os boxes ainda ficam apertadinhos em um dos pits mais claustrofóbicos da categoria – e, com as equipes concorrentes de mecânicos e engenheiros tão próximos uns dos outros, Interlagos é famosa pelas provocações entre eles, o que não acontece nas pistas novas e mais espaçosas.

Beto Issa, press image
Beto Issa, press image
O clima imprevisível faz de Interlagos um dos destaques da remporada

O público também fica apertado e próximo à pista, desfrutando de uma das melhores visões da Fórmula 1. A primeira curva – agora batizada em homenagem a Senna – é uma das mais excitantes dos circuitos; já a subida final, que segue para a linha de chegada com as arquibancadas erguendo-se ao lado, tem uma das visões mais gloriosas e um dos barulhos mais impressionantes. O público das corridas é um dos mais fanáticos e cresceu com a consagração de campeões nacionais, tais como Emerson Fittipaldi, que venceu o primeiro Grande Prêmio do Brasil, em 1973 – e, é claro, Senna.

“Os brasileiros vivem e respiram o esporte, como fazem com o futebol. Entre em qualquer lanchonete perto do circuito e verá fotos de Senna nas paredes”, diz Stuart Turvey, piloto inglês de Fórmula 3 da Dragão Motorsport, uma das muitas equipes que formam a comunidade automobilística de Interlagos. Enquanto muitos fãs só vão ao bairro uma vez por ano para a farra da Fórmula 1, equipes como a Dragão têm Interlagos como o centro de uma indústria que acelera durante o ano inteiro.

Quem tem ingressos para a corrida de sábado está convidado a visitar a garagem da Dragão Motorsport, na pista de kart Senna, onde a equipe competirá na corrida de F3 após os treinos da F1.


Escrito por Tom Hennigan
Compartilhe

Comentários dos leitores

blog comments powered by Disqus

Outras notícias recomendadas

Os filmes da semana – 01/12/2016

Ceia de Natal da Casa Santa Luzia

Rodízio de brigadeiro