Time Out São Paulo

Entrevista: Osvaldinho da Cuíca

O instrumentista Osvaldinho da Cuíca conversou conosco sobre suas pesquisas, pretensões dos acadêmicos e a alma do samba  


Osvaldinho da Cuíca
, de 73 anos, nasceu e cresceu na região do Tucuruvi, na Zona Norte de São Paulo. Iniciado no samba durante a adolescência, ele se tornou músico profissional em 1955 e gravou com uma extensa lista de bambas, que inclui Adoniran Barbosa, Nelson Gonçalves, Ângela Maria, Geraldo Filme, Germano Mathias, Cartola, Beth Carvalho, D. Ivone Lara, Toquinho e Vinicius de Moraes, além de ter integrado o grupo Demônios da Garoa durante 15 anos.

Testemunha e um dos protagonistas dos anos de transformação do samba paulista e brasileiro, ele é constantemente procurado para colaborar com projetos de resgate da memória do gênero. Em 2009, suas valiosas memórias sobre o samba transformaram-se em livro, em uma parceria com o pesquisador André Domingues no volume Batuqueiros da Pauliceia (Ed. Barcarolla).

Versátil, em 2012 ele esteve em cartaz como coautor e personagem do espetáculo História do Samba Paulista, no qual contava a trajetória musical da cidade de São Paulo com canções e bate-papo, ao lado do sambista Germano Mathias. Como se não bastasse, ele é membro-fundador da Ala dos Compositores da Vai-Vai. Ele é ainda o autor do samba ‘Vai Vai Corinthians’, de 1974, usado pelo bloco carnavalesco Gaviões da Fiel dois anos depois, quando foi campeão no Desfile de Blocos.

Como foram as pesquisas para o livro Batuques da Paulicéia?
Foi baseado em meu conhecimento e no do André Domingues, que é muito interessado na música popular brasileira. É uma somatória, evidentemente. Eu estou há quase 60 anos no samba. Eu sempre leio revistas, jornais velhos... Fiz pesquisa durante o espetáculo História do Samba Paulista e quando fiz o filme do Geraldo Filme [Geraldo Filme e o Samba Paulista, de 1998].

Durante suas últimas pesquisas e conversas com amigos e pesquisadores, você ainda se surpreende com novas informações sobre a história do samba?
Eu me surpreendo com as mentiras que surgem, até de acadêmicos. Eu não posso ser conduzido por quem sabe menos do que eu. Como o próprio Ricardo Cravo Albin. Ele pega informação de acadêmico e a informação vem toda errada. Ou quando dizem que o Francisco Paulo Gallo é fundador do Demônios da Garoa. Não tem nada a ver. Me surpreendem as informações desse monte de vigarista que está se formando e pós-graduando, eles querem ter mais razão do que a verdadeira história. Eu sou parte da história. Eu não fui buscar no computador ou na academia. Eu faço pesquisa, me ajuda a reforçar o meu conhecimento, mas eu vivenciei a transformação do samba. Eu gravei com Ismael Silva. Tenho uma informação da MPB e do samba bem diversificada. Ela não tem foco apenas em escolas de samba.

Como você vê os movimentos de militância e resistência do samba em São Paulo?
Eu gosto de ver uma juventude com trabalho sério. O Samba da Vela, por exemplo, não é o mais antigo. Mas é referência, é criativo.

O samba é a manifestação popular genuína da cidade de São Paulo?
Não só da cidade. É do país. Frank Sinatra gravou ‘Garota de Ipanema’, não importa se é bossa nova ou bossa velha.

Qual a importância do samba como manifestação das classes mais desfavorecidas?
O samba sempre foi o porta-voz dos mais oprimidos. Fala do deus e do diabo, do bem e do mal. Ele está sempre se manifestando. O samba e as marchinhas de Carnaval foram os pioneiros nessas coisas de criticar e elogiar. É uma manifestação além da alegria, do corriqueiro, do vulgar. No meu novo CD [Osvaldinho da Cuíca - 70 Anos, de 2010], na segunda faixa, ‘Vai Haver Temporal’, que é um samba rock, eu canto: “Está tudo legal?/Amanhã é que vem a tristeza do pobre no jornal. /É favela/ Na periferia no morro ou na beira do Rio/ É favela/ Novela que nunca se acaba no Brasil”. O samba sempre foi um grito dos desesperados, um grito do sufoco e de alegria.

Onde ainda é possível escutar o samba paulista original?
O samba-rural acabou. Às vezes tem a Dona Maria Esther do samba de Pirapora. Ela está com mais de 80 anos. É o único registro vivo que temos do samba novo de Pirapora, do samba de Honorato de Missé, que nasceu em 1901 ou 1903, e morreu em 1964, em São Paulo. Mas é o samba novo, porque o samba do preto de Pirapora era muito mais antigo.

Escrito por Márcio Cruz
Compartilhe

Comentários dos leitores

blog comments powered by Disqus

Outras notícias recomendadas

Carnaval de rua em SP

20 shows gratuitos no aniversário de SP

Novidades no Jamie´s Italian