Time Out São Paulo

Sigur Rós - Kveikur

Álbum 'Kveikur'   é um ataque auditivo do começo ao fim


Em 2005, a banda islandesa Sigur Rós lançou Takk..., um álbum de músicas-ambiente oníricas. Jónsi Birgisson e seu grupo foram responsáveis por sons maravilhosos, mas, em um mundo tão barulhento, suas canções plácidas e vagas tenderam a se dissipar.

É um problema do qual a banda parece ter ciência e o Sigur Rós tem buscado maneiras de afiar sua música e transformá-la em algo que não pode ser ignorado. Eles tentaram elementos folk e acústicos no disco Með Suð Í Eyrum Við Spilum Endalaust, de 2008, e em Valtari, de 2012, acrescentaram sintetizadores extras e um coro barroco. Ambos eram legais, mas o último álbum é algo muito diferente.

Kveikur empilha camadas grossas de distorção, barulho, dor e desarmonia para formar as belas melodias que fizeram o nome da banda. É um disco tempestuoso, que mostra uma nova direção e pode reposicionar o Sigur Rós como uma das melhores bandas de noise rock do mundo.

A faixa de abertura, ‘Brennisteinn’, dá esse novo tom com as guitarras distorcidas de um Kevin Shields endemoniado. ‘Stormur’ e ‘Kveikur’ apresentam texturas rústicas, estrondosas, pulsantes e agitadas por trás de uma das harmonias mais inspiradas do álbum. ‘Rafstraumur’ combina um solo enorme de guitarra, distorcido e uivante, baterias insistentes e vocais doces, enquanto ‘Bláþráður’ é cheia de barulhos esquisitos e opressivos. Mesmo as cordas suaves da faixa final, ‘Var’, trazem longas notas dissonantes, que fazem ranger os dentes.

Kveikur é um ataque auditivo do começo ao fim. É exatamente o que o Sigur Rós precisava fazer, e o fez esplendidamente. Pela primeira vez em muito tempo, Jónsi e companhia soam surpreendentes.

Escrito por James Manning
Compartilhe

Comentários dos leitores

blog comments powered by Disqus

Outras notícias recomendadas

Carnaval de rua em SP

20 shows gratuitos no aniversário de SP

Novidades no Jamie´s Italian