Time Out São Paulo

Daughn Gibson - Me Moan

Será ele um cantor country? Ou um roqueiro gótico? Ou então um DJ de música eletrônica? Daughn Gibson é seu nome verdadeiro? Sim, sim, sim – e não. Josh Martin adotou o pseudônimo em homenagem a Don Gibson, ícone de Nashville, mas também poderia se ter se inspirado no nome de outro cantor do gênero, pois é impossível separar apenas um elemento de sua fusão vigorosa de guitarra e cordas, percussão e baixo, e vocais arrepiantes de barítono.

Me Moan é o segundo álbum de Gibson e chega apenas um ano depois do disco de estreia, All Hell. Naquele álbum, ele estava juntando samples que não tinham nada a ver (country, gospel, rock alternativo), e depois cantando como Johnny Cash em cima do resultado. Em Me Moan, tudo é maior. A voz de barítono ainda está lá, mas se expandiu, saindo de Cash e se tornando um coral sussurrado e lamentoso de um homem só.

A mistura de elementos musicais é ainda mais extasiante: ‘Mad Ocean’ carrega na gaita de foles e na bateria confusa, enquanto ‘Won’t You Climb’ combina um solo de teclado com cordas sentimentais. A mais estranha talvez seja ‘The Pisgee Nest’, que começa como um remix de ‘Gin and Juice’, de Snoop Dogg, até que uma guitarra nervosa introduz a letra.

Mas o que torna Me Moan especial é o que impede que todos esses elementos se desagreguem. Gibson é um compositor e produtor de primeira, com a capacidade de escrever um refrão de impacto e de garantir que ele seja absorvido, dando-lhe o espaço de que precisa. Provas disso estão no disco inteiro: basta ouvir o refrão galopante e de escala mutante de ‘The Sound of Law’, ou a pungente e acústica ‘All My Days Off’. Sem o baixo, as batidas e as gaitas de foles, Me Moan ainda seria bom de ouvir. Da maneira como está, é indispensável.

Escrito por James Manning
Compartilhe

Comentários dos leitores

blog comments powered by Disqus

Outras notícias recomendadas

Explorando SP

10 lugares para comer empanada em SP

15 programas para fazer com crianças em SP