Time Out São Paulo

Nó na Orelha

 Rap, soul, reggae e samba nesse álbum paulistano de hip hop definitivo

Combinando ritmos diaspóricos que revelam sua infância na favela e os diversos instrumentos multiculturais encontrados em uma mega-cidade como São Paulo, o nativo Criolo compôs o que poderia ser o álbum paulistano de hip hop definitivo. Nó Na Orelha divide-se igualmente entre rap, soul, reggae e samba e leva o ouvinte da periferia empoeirada ao centro encardido e de volta ao começo, enraizando-o em uma cidade específica, mas cercando-o em uma cultura urbana ampla e sem fronteiras.
Com ritmo de funk e pitadas de afrobeat, “Bogotá” abre o álbum e convida a participar de uma jornada do tráfico transamazônica com Criolo. Puxando para o jazz, “Mariô” ecoa sons de Salvador e Dakar, com seus refrões vai-e-vem e o som da cuíca e do baixo vertical.  As faixas com nuances do Brooklyn“Grajauex” e “Lion Man”, com sabores orientais, são as únicas hardcore que fazem balançar a cabeça no álbum, relembrando as raízes de Criolo como um cronista da vida na rua da Zona Sul. E mesmo a faixa final, “Linha de Frente”, um verdadeiro samba de Sampa, fala da dura vida na cidade, com nenhuma alusão à Copacabana. Seja como cantor ou como rapper, Criolo não é nenhum Barry White, mas sua voz é cheia de alma, ondulando com emoção, tanto em baladas sugestivamente andróginas, como “Freguês da Meia Noite” quanto na solene “Não Existe Amor em SP”, com sua letra que assombra: “Aqui ninguém vai pro céu”. Amém.

Escrito por Time Out São Paulo editors
Compartilhe

Comentários dos leitores

blog comments powered by Disqus

Outras notícias recomendadas

Explorando SP

10 lugares para comer empanada em SP

15 programas para fazer com crianças em SP