Time Out São Paulo

Forró no escuro

Forró sem acordeão prá lá de dançante

É forró, mas não do tipo que você está acostumado. Para começar, não tem acordeão - o instrumento-símbolo do gênero que é amado por alguns e odiado por muitos. Apenas um integrante da banda vem do Nordeste. E para completar, eles nem moram no Brasil, mas em Nova Iorque. Foi nessa cidade americana que Refosco, Jorge, Davi e Guilherme montaram o grupo que funde vários ritmos da música popular brasileira em 2002. Apesar das diferenças, uma coisa se mantém igual ao forró tradicional: a música dos garotos foi feita para dançar. Uma mistura animada de rock e MPB que é apimentada com toques de forró.

“No começo, nós tínhamos acordeão”, explica Guilherme, “mas aí nós desenvolvemos um som mais pesado, com baixo e guitarra. E guitarras abrem mais portas que acordeões”, diz.

Um dos primeiros fãs da banda foi David Byrne, que colaborou com seus vocais na faixa “Asa Branca”. Três álbuns depois, a Forró no Escuro tocou no SESC Pompéia em dezembro de 2010 e os casais na plateia logo se animaram para dançar o 'rala-coxa' característico do ritmo nordestino. “Para nós, tocar no Brasil e sentir a reação da plateia é demais”, diz Guilherme. “É muito importante porque não queremos ser uma banda de gringos”.

Eles até podem dar uma nova cara ao forró, mas como foi visto no show do SESC, a essência da música continua a mesma. “Forró é como uma festa popular”, conta Guilherme. “[O ritmo] começou quando as pessoas davam festas depois de casamentos ou quando alguém ia inaugurar um novo andar na casa e todo mundo queria dançar”. Guilherme e Jorge são do Rio, Mauro é de Santa Catarina e só Davi vem de Salvador, berço do forró. Mas cada um trilhou seu próprio caminho até a música.

“Eu costumava ir a Caraíva, no litoral da Bahia, onde a única coisa para se fazer à noite era dançar forró. Foi assim que eu comecei. Primeiro dançando, depois tocando”. Com isso Guilherme se despede para se juntar a seus companheiros e passar as Festas na terra natal. Mas antes de ir, mais uma pergunta: de onde veio o nome? “Tem uma música do Luiz Gonzaga que se chama ‘Forró no Escuro’”, diz Guilherme. “Ela resumia bem a essência de um baile de forró e reflete a música sensual que a gente faz”.

Escrito por Time Out São Paulo editors
Compartilhe

Comentários dos leitores

blog comments powered by Disqus

Outras notícias recomendadas

12 casas pet friendly de SP

Os filmes da semana – 16/02/2017

Agenda cultural carnavalesca de SP