Time Out São Paulo

A arte do bem retratar

Este evento terminou

A arte do bem retratar

Preço de R$ 3 até R$ 6Grátis aos sábados

Data 20 Out 2012-17 Fev 2013

Praça da Luz, 2, Bom Retiro

Telefone (11) 3324-1000

Estações próximas
1, Luz

O fotógrafo Loren McIntyre (1917-2003) nasceu no extremo noroeste dos Estados Unidos, em Seattle. Mas suas lentes se voltaram principalmente à América do Sul. E, no Brasil, a uma região em especial: a Amazônia, que frequentou por mais de 20 anos. Seu olhar revelou uma terra onde poucos estiveram – a dos retratos que emanam espontaneidade e naturalidade, envoltos por iluminações por vezes magníficas. Assim, ele conta histórias de um cotidiano, de uma época, de uma região. De forma tão poética quanto objetiva Loren mostra garimpeiros, índios e prostitutas, no seio de seu habitat – nos convidando a penetrar nessa intimidade.

O seu prolífico trabalho ocupou páginas de publicações como a National Geographic. E, agora, haverá a chance de apreciá-lo em páginas brasileiras: a editora Terra Virgem coloca nas estantes o livro Na floresta, uma tarde (R$ 45)– com fotos capturadas na Amazônia entre as décadas de 1960 e 1980, quando Loren conviveu com os retratados. 
 

Meninos xavantes do Mato Grosso


















Foi Roberto Linsker, publisher da editora Terra Virgem, quem escolheu as 49 imagens que integram o livro – dentre as mais de 30 mil que compõem o arquivo do americano. Sobre a seleção, Linsker comenta: “Busquei contar um pouco da transformação da Amazônia através das imagens poéticas que Loren captou. Procurei mostrar o Brasil que se foi sem dizer adeus e também cenas que, de tão nossas, deixamos de perceber”. 

O livro, que faz parte da coleção ‘Fotógrafos Viajantes’, foi dividido em duas partes. A primeira, denominada ‘na floresta’, expõe fotos aéreas da natureza da região, propondo ao leitor uma entrada na mata. Já a segunda, ‘uma tarde’, é focada exatamente em retratos de uma tarde que teve lugar em um bordel de uma vila de garimpo, no ano de 1976. “O que mais me impressiona é a maneira como ele conseguiu clicar todas essas cenas, quase ouço a música que tocava na vitrola. Não há intrusão, ele parece ser mais um”, diz Linsker.
 

















Mas não é só. O trabalho de Loren também poderá ser visto, em maiores dimensões na exposição coletiva ‘O Mais Parecido Possível – O Retrato’, em cartaz na Pinacoteca a partir de 20 de outubro. O curador de fotografia da Pinacoteca, Diógenes Moura, comenta sobre as imagens de Lorean. “Elas ultrapassaram os limites da fotografia e se aproximam da literatura.”

A arte do retrato será o tema da mostra coletiva que traz o trabalho de outros 13 fotógrafos, em 40 imagens, entre os quais Luiz Braga, Klaus Mitteldorf, Lita Cerqueiras, Cristiano Mascaro, Edu Simões, Eduardo Villares e Luiz Braga (fotos coloridas e em preto e branco, capturadas entre 1970 e 2011. Veja três obras abaixo). E, provavelmente, dará ao visitante a impressão de estar mais próximo do universo dos retratados. Mostrando um pouco de realidade existencial, como em um livro aberto. 

Escrito por Cecília Gianesi
Compartilhe

Mapa


     Se o mapa ou detalhes deste estabelecimento estão incorretos, entre em contato

Comentários dos leitores

blog comments powered by Disqus