Time Out São Paulo

Prato do dia

São Paulo tem uma especialidade para cada dia da semana. Gibby Zobel investiga as origens dessa tradição

Segunda-feira | Terça-feira | Quarta-feira | Quinta-feira | Sexta-feira | Sábado | Domingo


Sábado é dia de feijoada – quando as cumbucas passam borbulhando com feijão, linguiça e miúdos de porco, parte do ritual que ficou imortalizado na poesia malandra de Chico Buarque, em Feijoada Completa: “Mulher, você vai gostar/ tô levando uns amigos pra conversar/ Eles vão com uma fome que nem me contem/ eles vão com uma sede de anteontem/ Salta cerveja estupidamente gelada prum batalhão/ e vamos botar água no feijão”.

Mas a semana começa na segunda-feira, com virado à paulista no cardápio. Terça tem dobradinha. Quarta é o prato de Chico de novo e quinta é dia de rabada. Na sexta, peixe – até porque o estômago merece um descanso. E domingo é a vez da massa ou pizza – embora esta também recheie outras noites da semana, como uma das especialidades que São Paulo adaptou de forma especial da Itália. Esse é o roteiro gastronômico da maior parte dos bares e restaurantes: um prato diferente para cada dia da semana.

Jeitão caseiro
Conhecidas como pratos feitos (‘PFs’), ou comerciais, essas refeições básicas surgiram no século 16 com os tropeiros – vaqueiros que viajavam pelo país e precisavam de comida rápida e barata no trajeto. Nas últimas décadas, restaurantes e botecos de São Paulo começaram a servir pratos com jeitão caseiro para atender à demanda da crescente classe trabalhadora da cidade – que, obviamente, não tem tempo de almoçar em casa.

Ao longo dos anos, os pratos feitos evoluíram, e o cardápio da semana em São Paulo pode render um estudo antropológico, graças à complexa mistura de culturas e culinárias da cidade. Alguns casos são fáceis de entender – 'peixe' às sextas, por exemplo, como alternativa à carne, é padrão em qualquer país católico. O Papa Nicolau I criou essa lei eclesiástica no século 9, prevendo um dia de abstinência em memória a Cristo, que sofreu e morreu nesse dia da semana. Mas por que feijoada aos sábados? E virado à Paulista na segunda? E, afinal, do que é feito?

A especialista em folclore Lilian Vogel sugere algumas respostas. Como diretora da Comissão Paulista de Folclore, ela pesquisou a tradição do 'virado' – um prato cheio de sustança – para começar a semana. “As pessoas comem o que sobrou do fim de semana. Pode ser feijão, ovo, abóbora, alguma carne ou frango. Você despeja as sobras em um caldo e vai virando, engrossando com farinha de mandioca ou de milho”, explica. “Em São Paulo, ficou conhecido como virado à Paulista.”

As origens da 'dobradinha' (tripas com feijão branco, bacon e linguiça) na terça e da 'rabada' na quinta são menos claras, mas a 'massa' e a pizza aos domingos são sinais da forte herança italiana presente na cidade. O faturamento das pizzarias paulistanas depende quase exclusivamente dos domingos, que tem as noites dedicadas a uma bela redonda.

Voltando à 'feijoada', Vogel tem uma teoria interessante: “Você tem de deixar a carne de molho para tirar o sal, o que demora. Então, faz sentido que se façam esses preparativos no começo da semana, ficando prontos para quarta e, novamente, no sábado”. Em tempo: seja quarta ou sábado, sempre é bom colocar as cervejas para gelar. Valeu, Chico.

 


Onde comer


Virado à Paulista

Sujinho Rua da Consolação, 2.068, Consolação, Metrô 2, Verde, Consolação, 11 3231-5207. R$ 28,60. 11h30-4h. Não aceita cartão nem cheque. sujinho.com.br.

Dobradinha

Bar da Dona Onça Av. Ipiranga, 200, Ed. Copan, lj. 27 e 29. R$ 42. Seg. a qua. 12h-23h; qui., sex. e sáb, 12h-24. bardadonaonca.com.br

Feijoada

Bolinha Av. Cidade Jardim, 53, Jd. Europa, 11 3061-201. R$ 51-R$ 97. Seg., 11h-17h; ter. a dom., 11h-0h. bolinha.com.br.

Rabada

Dalva e Dito R. Pe. João Manuel, 1.115, Jd. Paulista, 11 3068- 4444. Rabada com canjiquinha para uma pessoa, R$ 55. Seg. a qui., 12h-15h e 19h-0h; sex., 12h-15h e 19h-1h; sáb., 12h-15h e 19h-3h; dom., 12h-17h. dalvaedito.com.br.

Peixe

Amadeus R. Haddock Lobo, 807, Jd. Paulista, 11 3061-2859. Metrô 2 - Verde, Consolação. R$ 54-R$ 118; couvert, R$ 10-R$ 14; almoço executivo, R$ 67. Seg. a sex., 12h-15h e 18h-0h; sáb., 12h-16h30 e 19h-0h; dom., 12h-16h30 e 19h-23h. restauranteamadeus.com.br.

Massa ou Pizza

Speranza R. 13 de Maio, 1.004, Bela Vista, 11 3288-8502. R$ 42-R$ 68,50. Seg. a sex., 18h30-1h30; sáb., 18h30-2h; dom., 18-1h. pizzaria.com.br.

Escrito por Time Out São Paulo editors
Compartilhe

Comentários dos leitores

blog comments powered by Disqus

Outras notícias recomendadas

Os filmes da semana – 01/12/2016

Ceia de Natal da Casa Santa Luzia

Rodízio de brigadeiro